Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
24 de junho de 2021
Rádios

Especialista questiona índices inflacionários apurados pelo IBGE

Pesquisa do Deral aponta que os preços de alimentos subiram mais de 30%. IBGE informa inflação do último ano em 6,17%.

Economia

por Guilherme Zimermann

_JPL1001200010
Foto: José Paulo Lacerda/CNI
Publicidade

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), levantado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e que serve como uma prévia da inflação oficial do país, acumulou, em abril, alta de 6,17% na comparação dos últimos 12 meses.

De acordo com o IBGE, transportes, alimentação e bebidas foram os grupos que mais impactaram na alta. No entanto, esses números são questionados pelo Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral).

Mensalmente, o Deral realiza um levantamento de preços, tanto dos valores recebidos pelos produtores rurais, como também dos preços praticados pelos supermercados na venda de alimentos.

O técnico do Deral, Ivano Carniel, pontua que a população tem sentido de forma expressiva o aumento nos preços dos alimentos, o que muitas vezes é apontado como culpa dos produtores. “Mas é importante ressaltar, que o agricultor é o único profissional que não faz preço no seu produto, isso é ditado pela oferta e demanda”, frisa.

Publicidade
Publicidade

A ascensão dos preços da soja e milho, principais insumos para a alimentação de animais, é um dos fatores para o aumento das carnes e do leite. “Tudo isso tem reflexo lá na prateleira do supermercado e o consumidor que faz suas compras mensalmente sente isso no bolso”, aponta o técnico.

Citando o estudo do IBGE, questiona o percentual de 6,17, visto que o IGPM (Índice Geral de Preços – Mercado), levantado pela Fundação Getúlio Vargas, que mede o custo de vida das famílias com diferentes rendas, ultrapassou 30% nos últimos 12 meses.

Na pesquisa de preços praticados pelos supermercados feita pelo Deral, na comparação entre março de 2020 e março de 2021, os alimentos aumentaram, em média, 27,5%. “Valor que obviamente não bate com o índice inflacionário apontado pelo IBGE, então nós corroboramos com o levantamento da FGV, que mede o IGPM”, afirma Carniel. Ouça no player abaixo:

Publicidade
Publicidade
Preço médio da cesta básica em Palmas

Pesquisa mensal realizada pelo Departamento de Jornalismo da Rádio Club apontou que o preço médio da cesta básica ficou em R$ 497,60 no mês de abril, valor cerca de 1% menor que o registrado em março, quando a média foi de R$ 503,45.

Na comparação com os últimos 11 meses, de maio de 2020 a abril de 2021, o preço da cesta básica subiu 18,5% em Palmas. Porém, durante 2020, o preço médio da cesta básica chegou a ultrapassar R$ 500,00, chegando a R$ 522,12 no mês de dezembro.

O levantamento mensal é realizado em cinco estabelecimentos de diferentes pontos da cidade e baseia-se nos produtos e quantidades definidos pelo Decreto-Lei 399 da Presidência da República de 1938, que apresenta uma lista de alimentos, com suas respectivas quantidades, e que seria suficiente para o sustento e bem estar de um trabalhador em idade adulta.

Publicidade