Menu
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
26 de fevereiro de 2021
Rádios

Bituruna busca Indicação Geográfica na produção de vinhos

Produzidos há 80 anos, as uvas e vinhos motivaram a mobilização pleiteando a IG na modalidade Indicação de Procedência

Agricultura

por Elvin Santos

DSC_0053
Publicidade

Aconteceu na sexta-feira (22), em Bituruna, região Sul do Paraná, o lançamento do signo distintivo dos Vinhos de Bituruna, e o protocolo de solicitação da Indicação Geográfica (IG) junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Produzidos há 80 anos, as uvas e vinhos motivaram a mobilização para pleitear a IG na modalidade Indicação de Procedência. O pedido da IG é para o vinho produzido com as variedades de uvas bordô e casca dura, também conhecida como martha, da espécie americana Vitis labrusca.

A iniciativa é da Associação dos Produtores de Uva e Vinho de Bituruna (Apruvibi), com apoio do Sebrae-PR e Prefeitura Municipal. O município foi reconhecido como Capital Paranaense do Vinho, pela Lei nº 20.241, de 18 de junho de 2020, e agora aguarda mais esta conquista. A presidente da Apruvibi, enóloga Michele Bertoletti Rosso, explica que para comprovar que os vinhos e uvas produzidos em Bituruna são diferentes, foi solicitado apoio do Sebrae, através do Fórum Origens Paraná para realização do processo. Ressalta Michele, que as características de altitude, amplitude térmica, clima e solo resultam em condições específicas e características únicas nos vinhos produzidos em Bituruna. Atualmente, Bituruna conta com quatro vinícolas e 94 produtores de uvas, a grande maioria da agricultura familiar. Ouça no player

 

Publicidade
Publicidade
[Grupo RBJ de Comunicação] Bituruna busca Indicação Geográfica na produção de vinhos

Conforme o coordenador do Fórum Origens Paraná, Helinton Lugarini, na Europa existem mais de quatro mil IGs. No Brasil, são 75, enumera. O Paraná tem atualmente, nove IGs, sendo o terceiro em indicações no país. O reconhecimento mais recente foi o das balas de Banana de Antonina, no final do ano passado. O coordenador explica que esse é um primeiro passo na estratégia pela busca do registro, o que iniciou a aproximadamente 1 ano e 6 e meses, destacando que a Indicação Geográfica é somente para aqueles locais onde existe o produto e tem reconhecimento pela sua produção e qualidade. Ouça no player

A região já conta com uma IG, que é a erva-mate em São Matheus do Sul. Completam a lista: o melado de Capanema; a goiaba de Carlópolis; o queijo de Witmarsum; a uva de Marialva; o mel do Oeste do Paraná; o mel de Ortigueira; e o café do Norte Pioneiro. Do litoral, aguardam a certificação o barreado, a farinha de mandioca e a cachaça e aguardente de Morretes.

Publicidade