Empreendedores de Francisco Beltrão que trabalhem com produtos ou serviços de inovação tecnológica terão oportunidade de incubar seus negócios na Incubadora de Inovações Tecnológicas (IUT) da UTFPR. Ao ser selecionado no processo, o empreendedor tem uma série de benefícios desde a qualificação, assessoria, mentoria, consultoria até serviços e infraestrutura. As inscrições para a chamada pública iniciam na quarta-feira (14) e seguem até 28 de outubro.

De acordo com o diretor de Relações Empresariais e Comunitárias, Lindomar Subtil de Oliveira, o objetivo é apoiar empresas e projetos inovadores principalmente nas áreas de expertise do câmpus. “Negócios inovadores nas áreas de agronomia, alimentos, ambiental, computação e química têm prioridade no momento da seleção, mas isso não excluem outras áreas, nem tampouco negócios promissores que tenham foco em inovação tecnológica. Por isso propostas de negócios que apresentem uma inovação de produto, de processo ou de serviço, podem concorrer às vagas ofertadas no edital de chamada”, esclarece Oliveira.

A disponibilidade é para quatro vagas para empresa residente, que terá um espaço físico dentro da incubadora, e quatro vagas para não residentes. O processo seletivo acontece em três fases, sendo a primeira com a recepção da proposta, seguida da avaliação e contratação. Para inscrever-se na chamada pública, o interessado deve ler atentamente o edital que está disponivel no site www.utfpr.edu.br na aba editais.

Assinatura de contrato

Nesta quarta-feira (14), houve a assinatura de contrato com as duas primeiras incubadas no IUT da UTFPR, Trixx Softwares e América Verde. A formalização aconteceu no espaço físico da Incubadora que fica junto à Diretoria de Relações Empresariais e Comunitárias (Direc), no bloco R da UTFPR. Ambas passaram por processo de seleção no início do 1º semestre de 2020.

A América Verde estuda a extração de compostos a partir da Urera baccifera, uma arvoreta da família Urticaceae, conhecida popularmente como Urtigão (que encontra-se em abundância no sudoeste do Paraná) e a aplicação do extrato como tratamento para doenças. Atualmente a empresa formada pelo aluno da Engenharia Química Guilherme Berton e pelas professoras Irede Dalmolin e Elisângela Düsman estuda o efeito do composto em células tumorais.

Já a Trixx Softwares, que é composta por Denise Varela e Daiane Iser e pelos professores da universidade, Paulo Junior Varela e Michel Albonico, atua em segmentos com produtos próprios, como a fechadura eletrônica controlada por software, e trabalha com projetos sob demanda nas áreas de IOT (Internet das Coisas), Inteligência Artificial e mobile (desenvolvimento de aplicativos para gadgets).

Assessoria