A Prefeitura de Pato Branco, através da Secretaria Municipal de Saúde, em parceria com os cursos de Medicina, Enfermagem e Fisioterapia, do Centro Universitário de Pato Branco (Unidep), realizará a partir da próxima segunda-feira (10), o Alert(AR), um programa de combate ao Coronavírus (COVID-19), que visa monitorar os níveis de saturação de oxigênio no sangue (oximetria) antes da sensação da falta de ar (hipóxia silenciosa) ou agravamento do quadro do paciente. A ação foi anunciada na terça-feira (04), no Largo da Liberdade, na reunião do Comitê Gestor de Combate ao COVID-19.

Além de reduzir a mortalidade no município e diminuir a sobrecarga nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de Pato Branco, o Alert(AR) garantirá um melhor acompanhamento dos usuários suspeitos e confirmados para COVID-19 e um atendimento precoce em caso de agravamento do quadro. Baseada na campanha da Sociedade Brasileira de Infectologia, em parceria com o Instituto Estáter (que reúne grupo de especialistas para discutir o avanço do Coronavírus no Brasil), o programa será composto, no município, inicialmente, por seis equipes: duas na Zona Norte, duas na Zona Sul e duas na região central.

A diretora técnica da Estratégia da Saúde da Família (ESF), Grasiela Hass Reis, uma das profissionais envolvidas no projeto, explica que a hipóxia silenciosa é a perda de oxigênio no sangue sem que o doente perceba, pois não sente falta de ar. Esta falta de percepção pode levar os pacientes em situação mais crítica, à UPA, o que leva a maioria desses à UTI com alta chance de letalidade. Conforme ela, 95% a 100% de saturação no sangue significa sinal verde; 93% a 95%: sinal amarelo e abaixo de 93%: sinal vermelho.

  • Compartilhe no Facebook

Novo programa começará na próxima segunda-feira, dia 10.

“As equipes realizarão, em domicílio, avaliação de oximetria e temperatura dos pacientes suspeitos, confirmados e todos em seu entorno. Anteriormente, o paciente era internado a partir do sinal vermelho. Com o novo projeto o paciente poderá ser internado no sinal amarelo. O acompanhamento se dará inicialmente entre o quinto e décimo dia do início dos sintomas, período de importante piora clínica dos pacientes. Poderá ser dada alta em caso de exames negativos (excluindo a doença) ou em caso de cura (casos positivos, que após o décimo quarto dia do início dos sintomas encontram-se assintomáticos”, esclarece Grasiela.

O coordenador do curso de Medicina do Unidep, Vilson Geraldo de Campos, afirma que a participação da instituição de ensino no projeto reafirma o compromisso e cuidado com a saúde da população de Pato Branco. “A parceria com a Secretaria Municipal de Saúde permitirá que identifiquemos precocemente os sinais de agravo do paciente com a COVID-19 e possamos intervir, de forma a reduzir a ocupação das UTIs, e consequentemente, a mortalidade pela doença. Além disso, os dados coletados durante as visitas serão importante fonte de informação para os estudos sobre o prognóstico da doença e fornecerão evidências científicas para uma conduta mais eficaz”, analisa.

O prefeito Augustinho Zucchi ressalta que a implantação do Alert(AR) é mais uma maneira de evitar o agravamento do COVID-19 no município e proporcionar melhor acompanhamento para os pacientes. “Desde o início da pandemia buscamos diversas estratégias para asseguramos saúde e bem-estar aos pato-branquenses. Além disso, é fundamental que as pessoas continuem se cuidando, mantendo o isolamento social e os hábitos de higiene”, reforça.

Assessoria