Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
19 de setembro de 2021
Rádios

Subestação de energia de Abelardo Luz deve começar a ser construída em janeiro de 2022

Informação foi encaminhada à Câmara de Vereadores do município pela Celesc.

Economia

por Guilherme Zimermann

local_subestação
Local onde será construída a subestação (Fonte: Celesc)
Publicidade

A Celesc (Centrais Elétricas de Santa Catarina) deve iniciar a construção de uma subestação de energia em Abelardo Luz, Oeste Catarinense, no próximo mês de janeiro. A informação foi encaminhada à Câmara de Vereadores do município nesta semana.

De acordo com o gerente do Núcleo Oeste da Companhia, André Rafael Curtarelli, a previsão é licitar a obra em novembro e iniciar a construção em janeiro para conclusão em dezembro do próximo ano.

A construção da nova unidade de energia foi anunciada pela Celesc no inicio de 2018. Ela estará ligada à linha de transmissão Xanxerê-Abelardo, cujas obras devem iniciar em setembro, com término previsto para março de 2023.

[Grupo RBJ de Comunicação] Subestação de energia de Abelardo Luz deve começar a ser construída em janeiro de 2022 — Localização do empreendimento (Fonte: Celesc)
Localização do empreendimento (Fonte: Celesc)

A subestação abelardense terá capacidade de 26 MVA (Megavoltampère), suficiente para atender 15 mil unidades consumidoras. Ela será instalada em um terreno de 6,4 mil metros quadrados, localizado às margens da SC-350, que foi adquirido pelo município e doado à Celesc em 2019.

Publicidade
Publicidade

De acordo a Divisão Técnica da Celesc, o projeto da subestação beneficiará além de Abelardo Luz, também os municípios de São Domingos, Ouro Verde e Ipuaçu, melhorando o fornecimento de energia e alavancando outros empreendimentos, como indústrias, além da conexão de usinas hidrelétricas, que estão em processo de instalação, homologação e  regulação  junto aos diversos órgãos governamentais.

A construção da nova subestação é acompanhada com atenção por parte dos investidores do Complexo Eólico Palmas II, projetado para instalação nos Campos de Palmas.

De acordo com o diretor do Grupo Enercons, Ivo Pugnaloni, a subestação catarinense beneficia o empreendimento eólico, porque a reserva da capacidade que a Copel (Companhia Paranaense de Energia) estava fazendo na subestação de Palmas para a energia produzida por seis hidrelétricas de Santa Catarina poderá ser destinada totalmente à geração do parque eólico palmense.

Publicidade