• Compartilhe no Facebook

(Imagem Ilustrativa)

O 13º salário vai injetar R$ 211,2 bilhões na economia brasileira até dezembro. Desse montante 16,6% fica para a região Sul do país. O principal questionamento é como a população irá utilizar esse valor. A expectativa é aquecer as vendas no comércio, mas também que o brasileiro utilize o valor para colocar as contas em dia.

Segundo levantamento da Serasa Experian realizado em junho 40,3% da população adulta está inadimplente. Na comparação com junho de 2017, o índice teve aumento de 1,98% e registrou um total de 61,8 milhões de inadimplentes.

A professora da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, Ivanira Oliveira, comenta que o 13° é um extra para os trabalhadores e com esse valor milhares de pessoas poderiam aproveitar melhor as festas de final de ano, viajar, fazer investimentos, mas na maioria das vezes não é para nenhum desses objetivos, “simplesmente o dinheiro acaba e a pessoa não sabe, não se dá conta de como foi gasto. Então por isso sempre é bom planejar”, inicia.

Segundo a professora, o primeiro passo é analisar a situação financeira, “se ela está equilibrada, caso contrário o que pode fazer para pagar, quitar dívidas” e destaca a importância de estar preparado para os gastos nos primeiros meses do ano, “nesse período tem IPVA, IPTU, material escolar, etc. Então é interessante fazer um planejamento, reservar parte desse décimo terceiro para esses gastos extras do ano seguinte”.

 

Regularização de débitos

  • Compartilhe no Facebook

(Imagem Ilustrativa)

A Atividade de Extensão “Educação, orientação e cidadania financeira”, analisou ainda a utilização do 13° para pagamento de dívidas. “Caso a pessoa ou a família tenham dívidas, devem avaliar quais são e assim usar o ‘extra’ ou parte dele para quitar uma dívida ou fazer renegociação. Isso faz com que os juros diminuam, e a dívida seja reduzida”, comenta Ivanira. Ela sugere que seja negociada essa troca de juros mais altos, dívidas com cartão de crédito, cheque especial “uma alternativa é contratar crédito consignado, que é um pouco mais em conta. Além disso deve analisar o motivo da dívida, verificar onde errou, para evitar possíveis novas dívidas”.

O Crédito Consignado está disponível para Aposentados e Pensionistas (beneficiários INSS), Servidores Públicos (Federal, Estadual e Municipal), Militares das Forças Armadas e Trabalhadores com carteira assinada (empresa privada).

 

Dicas

– Cuidar com gastos no final de ano que podem comprometer a renda no novo ano;

  • Compartilhe no Facebook

(Imagem Ilustrativa)

– Estabelecer limites de quanto pode gastar;

– Fazer lista de compras para não comprar por impulso. A compra por impulso é a maior inimiga da economia, porque o impulso impede a análise do custo x benefício e da utilidade do produto;

– Pesquisar preços: é possível encontrar produtos com preços mais baixos.

– Procurar comprar à vista e comprar com desconto;

– Aproveitar promoções: em novembro tem Black Friday e em janeiro, os produtos costumam ser mais baratos.

– Dar preferência para gastos essenciais e, reduzir ou cortar gastos supérfluos;

A partir disso é possível realizar um planejamento financeiro de modo a fazer escolhas conscientes e assim estar preparado em caso de emergência ou ainda para realização de sonhos.

Confira a entrevista na íntegra: