O Samu 192 Sudoeste foi chamado para atender a emergência de um bebê de 16 dias de vida, nascido prematuro de oito meses, que estava engasgado. A equipe da Base de Palmas no sul do Paraná, com a técnica de enfermagem socorrista Catarina Aguiar e condutor socorrista Daniel Serigatti, deslocaram-se até a residência, enquanto o médico regulador passava as orientações para a família, via telefone.

Na residência, repleta de familiares e bastante nervosismo, apesar de o bebê estar de olhos abertos, permanecia imóvel, não responsivo e apresentava características de estar engasgado. Ao passar uma gaze na boca do bebê, esta saiu suja de sangue, então a equipe começou o processo de reanimação.

Catarina disse que fez a reanimação cardíaca com compressão torácica e virou o bebê na manobra de Heimlich. “Ele não estava responsivo, mas reagiu rápido à reanimação, pois ao realizar a manobra ele logo desengasgou e chorou. Era uma criança bastante frágil e a mãe bem jovem”.

Este é o segundo filho da moça, sendo que o primeiro tem quatro anos de idade. O  engasgo obstrui as vias aéreas da criança e, sem respirar, as consequências para o organismo podem ser fatais. Cada minuto é vital, tanto a adultos, mas em especial a crianças.

A equipe estabilizou o bebê e conduziu-o, acompanhado da mãe, para o Pronto Atendimento de Palmas, onde foi avaliado pelo médico.