Volumosas cargas de cigarros oriundos do Paraguai foram retiradas de circulação no final de semana em duas apreensões realizadas em Abelardo Luz, Oeste de Santa Catarina e no Sul do Paraná, BR 153. Além da apreensão da carga, no Paraná, motorista e passageira foram presos por corrupção ativa ao oferecerem dinheiro para não terem caminhão fiscalizado. Em Abelardo Luz, motorista de carreta fugiu em meio a clientes de um supermercado. Nas duas ações foram apreendidos 500 mil maços de cigarros.

Na altura do município de Porto Vitória, a Polícia Rodoviária Federal apreendeu um casal transportando 100 mil maços de cigarros em um caminhão que transitava no KM 472 da rodovia no sul paranaense. No momento da abordagem o motorista, tentou subornar os policiais oferecendo R$ 10 mil reais para que estes  não fiscalizassem a carga. Durante a averiguação, além das caixas de cigarros, foram localizados R$ 10,8 mil em dinheiro, na cabine do caminhão. O motorista,28 e passageira,44,foram detidos em flagrante por transportar carga ilícita e por corrupção ativa, sendo encaminhados à Delegacia de Polícia de União da Vitória.

Outra grande apreensão ocorreu na SC 155, em Abelardo Luz, próximo a ponte do Rio Chapecó, após o choque entre uma carreta de Xanxerê e um caminhão de Maringá(PR) que não parou no local, sendo abordado na sequência do Pelotão da Polícia Militar há poucos quilômetros adiante.

O referido motorista relatou aos policiais que pretendia acertar a situação com o motorista do Oeste catarinense, assim que este chegasse ao local. Enquanto eram realizados os procedimentos de verificação dos documentos, o motorista simulou uma ligação telefônica e em meio a algumas pessoas desapareceu do local. Em averiguação minuciosa na cabine, não foi constatada nota da carga e si,m uma Carteira de Identidade falsa.

No compartimento de cargas apropriadas ao transporte de ração, foram encontradas grande quantidade de cigarros. Após a descarga junto ao pátio da Policia Rodoviária Estadual em Bom Jesus, foram contabilizados, 400 mil maços avaliados em mais de R$ 2 milhões. O cigarro foi encaminhado para Chapecó para ser incinerado.