O palmense, Anastácio Marafom, popular Tato,53, suspeito de matar o ex-secretário de infraestrutura do estado do Mato Grosso, Vilceu Marchetti com três tiros cometeu o crime por ciúme de sua esposa. É o que reafirmam novas diligências solicitadas pelo Ministério Público mato-grossense à Polícia Civil daquele estado. De acordo com as investigações, o crime ocorreu em 07 de julho deste ano, em uma fazenda no município de Santo Antônio de Leverger, a 35 km de Cuiabá.

Por considerar os resultados das primeiras investigações incompletos e insuficiente para oferecer denúncia contra suspeito do crime de homicídio, o MP buscou  mais informações sobre o caso e segundo informou a assessoria da polícia, foram ouvidas novas testemunhas e juntados ao inquérito alguns laudos.

Tato, que tem seus familiares residindo no Bairro Hípica e trabalhava em uma fazenda em Agua Doce(SC) estava no Mato Grosso há pouco mais de uma semana, quando ocorreu o crime. Após ser detido, Marafom relatou que  matou o ex-secretário de estado e então administrador da fazenda, após sua esposa,36, ter sido assediada sexualmente.

Na época, contou contou aos policiais que após passar trabalhando em companhia de Marchetti presenciou o momento em que o mesmo desferiu um tapa contra as nádegas de sua esposa. Revoltado, ele tomou satisfações com a mulher, 36. Esta, que havia seguido com o esposo há poucos para o Mato Grosso para trabalhar na fazenda garantiu que não tinha nada com Marchetti, mas teria confirmado o assédio. Anastácio se armou com um revólver e entrou no quarto e disparou na cabeça e no peito da vítima, que estava deitada na cama, pronta para dormir.

Marafom foi preso após tentar deixar a fazenda e foi encaminho para sistema prisional em Várzea. O novo inquérito foi encaminhado à promotoria de Santo Antônio de Leverger