O Caso Algacir teve novos desdobramentos na tarde desta segunda-feira (23) durante entrevista coletiva realizada na cidade de Pato Branco e Curitiba. Segundo as investigações, o crime estava sendo planejado desde dezembro de 2014. Ao todo sete pessoas estão presas por suspeita de envolvimento no crime. Entre elas o prefeito do município de Chopinzinho, Leomar Bolzani (PSDB).

+ Prefeito de Chopinzinho é preso por suspeita de participar do homicídio contra procurador

+Acusado de matar advogado chopinzinhense é preso pela Polícia

O Secretário Estadual de Segurança Pública do Paraná, Fernando Francischini falou durante coletiva de imprensa em Curitiba, que Bolzani foi preso pelo envolvimento de mandante da ação, “o prefeito foi preso na ordem do Tribunal de Justiça pelo envolvimento como mandante da execução do procurador do município”.

Francischini destaca que o advogado estava denunciando irregularidades na prefeitura, “o procurador vinha fazendo denúncias ao Ministério Público, sobre a atuação de um grupo dentro da prefeitura chefiado pelo prefeito e desde dezembro a morte do procurador já estaria encomendada. A Polícia Civil e Polícia Militar em total apoio do Ministério Público da cidade conseguiram fazer uma investigação profunda, nós temos provas materiais do envolvimento de sete pessoas”. Todos tiveram prisão temporária decretada pelo Poder Judiciário da cidade, o prefeito Leomar Bolzani teve a prisão temporária decretada pelo Tribunal de Justiça, em razão do cargo.

Prefeito e Pardal
  • Compartilhe no Facebook

Prefeito e Pardal

Estão presos Jeferson Rosa do Nascimento, 22 anos. Darci Lopes Aquino, 35 anos (executor). Elvi Aparecida Haag Ferreira, 41 anos (esposa do Nilton). Nilton Ferreira, 47 anos (marido de Elvi). João Rosa do Nascimento e Geovane Baldissera “Pardal”, ex-funcionário da Prefeitura de Chopinzinho.

Em contato com o Advogado do prefeito, Roberto Brzezinski, diz que teve acesso aos autos na tarde de domingo e está analisando a documentação para decidir a medida a ser adotada.

 

Execução

O procurador do município de Chopinzinho, Algacir Teixeira de Lima, 51 anos, foi morto na manhã do dia 16, quando estacionava o veículo na garagem do prédio onde morava, na área central da cidade.

Darci (executor)
  • Compartilhe no Facebook

Darci (executor)

Alvejado por seis tiros, o executor Darci Lopes de Aquino, saiu caminhando pela principal avenida da cidade até entrar num Corsa preto, onde seus companheiros aguardavam para fuga.

O advogado foi atendido pelo SAMU, mas não aguentou os ferimentos. As duas filhas do procurador estavam no carro no momento que ocorreu o crime.

 

Investigação

Segundo a Polícia Civil que assumiu o caso já na segunda-feira (16), logo após o crime ser registrado no centro da cidade, as investigações começaram através das imagens das câmeras de segurança, onde foi encontrado a existência de três suspeitos que utilizaram um carro Corsa de cor preta.

Durante investigação foi descoberto que na cidade de Laranjeiras do Sul, o registro de furto de um veículo GM-Corsa com as mesmas características do carro utilizado pelos suspeitos após o homicídio.

Os policiais foram até a cidade de Porto Barreiro e em contato com a proprietária, contou uma história que segundo a polícia era muito “fantasiosa”. Na residência em conversa com familiares, os policiais encontraram um rapaz com as mesmas características de um dos homens visualizados nas imagens das câmeras de segurança.

Um dos investigadores questionou o morador, Jeferson Rosa do Nascimento sobre o que estava fazendo no dia do homicídio, o mesmo confessou que participou do crime, junto com o irmão João da Rosa Nascimento e um amigo Darci Lopes de Aquino.

Segundo a polícia, Jeferson teria dito que a mandante seria uma pessoa que trabalhava junto com Algacir na prefeitura e uma a uma mulher que trabalhava com “bruxismo” no município de Saudade do Iguaçu.

Os policiais localizaram Elvi Aparecida Haag Ferreira e o esposo Nilton Ferreira. Elvi confessou que em meados do mês de dezembro de 2014, a pessoa de Giovanni Baldisseira, conhecido como “Pardal” junto com o Prefeito de Chopinzinho Leomar Bolzani teriam procurado ela para saber de alguém para fazer um “serviço”. O tal serviço seria matar uma pessoa que estaria causando problemas junto à administração do município, a vítima seria Algacir. A mulher indicou Darci de Aquino para efetuar o serviço.

Elvi fez intermediação dos mandantes com o executor. O valor ajustado entre as partes seria R$ 6.500,00 (seis mil e quinhentos reais) sendo uma parte antecipada e outra depois de fazer o serviço.

Darci recebeu próximo do natal de 2014, o valor de R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais), em dinheiro que foi pago por Pardal a Elvi, a qual repassou o dinheiro para Aquino.

Ele e João Nascimento começaram a vir ao município de Chopinzinho, para fazer um levantamento da rotina do advogado.

Segundo o delegado da 11ª DRP de Chopinzinho, Alexander Meurer, Darci se apresentou a polícia e na unidade de Pato Branco, foi interrogado e confessou o envolvimento de “Pardal “ e do prefeito de Chopinzinho. Também nos interrogatórios de Elvi e do Nilton foi confirmado quem são os mandantes.

 

Vídeo feito pela Polícia Civil no dia da prisão do prefeito e do Pardal