Um levantamento encomendado pela ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), buscou avaliar o impacto da violência contra as mulheres no Brasil em 2018. Cerca de 76,4% das mulheres que sofreram violência relataram que o agressor era alguém conhecido, 42% dos casos ocorreram no ambiente doméstico e 52% não denunciaram o agressor.

O comandante da Polícia Militar de Francisco Beltrão, Capitão Pitz, comenta que as ocorrências policiais mais comuns registradas na microrregião são referentes à violência doméstica, “temos a impressão que os casos mais registrados são crimes de furto, mas no final de 2018, após uma consulta ao Ministério Público e conversa com as promotoras, tomamos conhecimento dos números e que a maior demanda de ações era desse tipo de violência”.

A partir do conhecimento desses índices está em implantação no município a Patrulha Maria da Penha, um projeto inovador, com um formato diferenciado de outros locais do Paraná e outros estados, “estamos na fase de implantação, fazendo o acompanhamento, as avaliações. Trata-se de projeto muito interessante, muito bacana, que conta com a participação de vários órgãos”.

A Polícia Militar vai fazer a fiscalização da vítima que tem a medida protetiva, da mulher que foi agredida, mas também do agressor, “estamos dedicando uma parcela da nossa atenção à vítima, vamos realizar a visita, ver se a medida está sendo respeitada pelo agressor”.

Segundo o Capitão, o agressor com conhecimento da existência dessa patrulha, certamente será inibido e será possível diminuir os números relacionados à violência doméstica e familiar em Francisco Beltrão.

Confira a entrevista: