Após denúncia anônima, policiais militares de São Jorge D’ Oeste em conjunto com a Rotam da Companhia de Coronel Vivida desencadearam uma operação para coibir o crime de rinha de galo no interior do município. A ação policial aconteceu na comunidade de Linha Santana entre a noite de sexta-feira (13) e a madrugada deste sábado (14).

Na ocasião, dezenas de pessoas foram flagradas em uma propriedade onde acontecia rinha de galos. Ao perceber a movimentação da polícia, um membro do grupo estourou foguetes para avisar e alguns participantes correram para o mato.   Além disso, o responsável pelo local apagou as luzes no intuito de ludibriar os policiais.

Mesmo assim, onze pessoas que haviam se escondida na mata foram encontradas, identificadas e listadas no boletim de ocorrência que resultou num termo circunstanciado. Os envolvidos vão responder na justiça pelo crime de maus tratos a animais.

Com os participantes da rinha, a polícia apreendeu dinheiro que tinha sido apostado. Também foram encontradas 55 aves em péssimas condições, muitas sem água e comida. Estavam presas em local totalmente inadequado, algumas dentro de porta malas de veículos.

Conforme a polícia, algumas apresentavam lesões graves. A Polícia Militar alerta que a briga de galos não é uma “pratica esportiva” como muitos dos envolvidos afirmam, mas é considerada crime de maus tratos aos animais, com pena de até um ano de detenção e multa, sendo agravada a pena em caso de morte do animal.

Fotos: Polícia Militar