O Brasil volta a se preocupar com a Febre Amarela. Nos últimos dias casos da doença foram registrados em cidades do estado de Minas Gerais. 46 mortes estão sendo investigadas por suspeita da doença. No período de férias muitas pessoas aproveitam para conhecer novos lugares, a natureza, paisagens, mas antes de pegar as malas e cair na estrada é importante tomar a vacina para não pegar a doença.

Segundo o Coordenador de Vigilância Epidemiológica da 8ª Regional de Saúde, em Francisco Beltrão, Benvenuto Juliano Gazzi, “a febre amarela é muito parecida com as doenças ligadas a transmissão pelos arbovírus, ela é da mesma família da dengue, Zica vírus”.

Os principais sintomas são febre, dores musculares, principalmente nas costas, dor de cabeça, perda de apetite, náuseas e vômito, fraqueza, olhos, face ou língua avermelhada.

A vacina é o principal medicamento para prevenir a doença. É distribuído gratuitamente nas unidades de saúde. “É uma vacina muito efetiva, tem uma eficácia muito alta e ela tem um esquema vacinal de início, no caso para as crianças aos nove meses de idade e a dose de reforço, aos quatro anos. Para quem vai viajar para uma área de risco, se recomenda fazer uma vacina de reforço, mas tem que ser 10 dias antes da viajem”.

Em pessoas com mais de 60 anos, gestantes, mulheres amamentando e crianças com menos de seis meses de idade não é indicado aplicar a vacina.

No Paraná, em especial o sudoeste, há anos não é registrado casos da doença. “Faz muitos anos que não temos casos autóctones. Os casos registrados no estado, são importando, pessoas que viajaram para outros estados que tem a febre amarela circulando, pegaram a doença lá e se manifestou aqui no Paraná”. Destaca Gazzi.