A região Sudoeste do Paraná registrou 339 casos de dengue entre agosto de 2015 e a última terça-feira (15). Em uma semana, 84 novos casos foram confirmados pelas 7ª e 8ª Regionais de Saúde. Na microrregião de Palmas – Clevelândia, Coronel Domingos Soares, Honório Serpa, Mangueirinha e Palmas – 5 novos casos estão sendo investigados, passando agora para 51 notificações e 4 casos confirmados, todos importados, detectados em Mangueirinha. Os dados são do Boletim Epidemiológico da Secretaria de Saúde do Estado (SESA-PR).

Pela 7ª Regional de Saúde, com sede em Pato Branco e que abrange 15 municípios, incluindo os da microrregião de Palmas, 38 casos foram confirmados, um acréscimo de 10 novos casos em uma semana. No mesmo período, 50 casos foram notificados, contabilizando agora 422 notificações. Entre os dias 08 e 15, a 8ª RS, de Francisco Beltrão, registrou 74 novas confirmações para dengue – 301 casos desde agosto do ano passado – e 180 notificações (1.548 no total).

O Boletim Climático de Dengue do Laboratório de Climatologia da UFPR (Universidade Federal do Paraná), que traz informações sobre as condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento do Aedes aegypti, aponta para risco médio para o desenvolvimento de criadouros do mosquito na região, segundo a estação meteorológica de Francisco Beltrão.

Sobre a situação do Zika Vírus, a Secretaria informa que não houve alterações na região da 7ª RS, que contabiliza 1 caso importado – em São João – e 22 notificações. Já a 8ª RS notificou 74 novos casos, totalizando 168, e mais 4 casos confirmados, registrando 15 casos desde agosto, todos autóctones. A regional também notificou 24 novos casos de Chikungunya, que são somados aos 31 notificados até a última semana. A 8ª RS tem 3 casos importados da doença confirmados. Na 7ª RS, 2 novos casos de Chikungunya foram notificados – total de 13 notificações.

Em todo o Paraná são 14.275 casos de dengue confirmados, distribuídos em 271 municípios. Em uma semana, 3.612 novos casos foram detectados. A Secretaria de Saúde confirmou mais 5 mortes pela doença – 20 óbitos desde agosto. O Estado registrou também 32 casos confirmados de Chikungunya e 129 de Zika Vírus.

A SESA orienta a população para que continue com os cuidados para evitar a proliferação do mosquito a dengue, mesmo com a aproximação do outono.A orientação é para que se mantenha a rotina de vistoria semanal e eliminar possíveis criadouros. A estimativa é de que o número de casos da doença e cidades em epidemia continue aumentando no período. O desenvolvimento do mosquito, do ovo até a forma adulta, leva de três a sete dias. Esse período varia de acordo com a temperatura e quantidade de chuvas na região.