O Sudoeste do Paraná registrou, pelo menos, 220 casos de amputações devido a complicações do diabetes nos últimos 12 anos. O estilo de vida atual, com alto índice de sedentarismo, tabagismo, consumo excessivo de bebidas alcoólicas e má alimentação, é um fator de risco que impulsiona o crescimento da incidência de doenças crônicas.

Os dados foram obtidos pelo Departamento de Jornalismo da Rádio Club de Palmas junto ao Ministério da Saúde, através da Lei de Acesso à Informação. Os procedimentos referentes a amputações relacionadas a complicações do Diabetes constantes da Tabela de Procedimentos do Sistema Único de Saúde (Tabela SUS) são enquadrados nas categorias de amputação e/ou desarticulação de membros inferiores, pé e tarso, e desarticulação de dedo.

Segundo o Ministério da Saúde, entre 2008 e outubro de 2019, foram realizados 4 procedimentos de amputação em Chopinzinho, 87 em Francisco Beltrão, 1 em Palmas e 132 em Pato Branco.

Em entrevista à Rádio Club, o médico endocrinologista Douglas Araújo explica que o diabetes é uma doença caracterizada pela elevação da glicose no sangue (hiperglicemia). Um dos desafios da doença é o fato de, em seu inicio, não apresentar sintomas, sendo detectada apenas pela realização de exames.

Entre as complicações do diabetes estão problemas de visão, que podem chegar à cegueira, problemas vasculares, uma vez que os vasos sanguíneos com altos índices de glicose inflamam, podendo levar à infarto ou derrame, levando também à amputações, por problemas de circulação e infecções.

Apesar das complicações, o especialista lembra que existem formas de tratamento, com a administração de medicamentos e aplicação de insulina, além de uma dieta equilibrada e uma rotina de atividades físicas, que são também as principais formas de prevenção da doença, que tem atingido uma parcela significativa de pacientes acima do peso e com alimentação desregrada.

Ouça a entrevista no player abaixo: