Numa iniciativa do Conselho Municipal de Saúde, aconteceu quarta-feira à noite, dia 25, o seminário sobre a implantação do Hospital Municipal em Francisco Beltrão. A discussão foi iniciada, mas a Administração Municipal ainda não tem nenhum projeto definido. Questionada sobre o tamanho da instituição, quantidade de funcionários e tipo de atendimento a ser feito, a secretária da saúde, Rose Guarda afirmou que ainda é cedo para tais definições. “Precisamos buscar parcerias tanto para realizar a obra como para a sua manutenção, na qual precisamos estar credenciados junto ao SUS (Sistema Único de Saúde)”, observou Rose. “A tendência é que seja um hospital de média complexidade, com capacidade para fazer cirurgias eletivas e tenha uma maternidade com 10 leitos”, afirmou o prefeito Cantelmo Neto, ao lembrar que tal tema foi uma promessa de campanha.

O encontro teve a participação de representantes da área médica, como oitava regional de saúde, Hospital Regional, Unipar e do curso de medicina da Unioeste. Em várias manifestações, veio à tona a preocupação com o pedido de descredenciamento do SUS feito pelo hospital São Francisco.Nos últimos anos, a Políclínica São Vicente de Paula também seguiu esse caminho, reduzindo drasticamente a capacidade de atendimento à população regional.

O presidente do Conselho Municipal de Saúde, Osório Borges, afirmou que esse deve ser um dos principais temas da Conferência Municipal de Saúde, a ser realizada na primeira quinzena de julho. “Vamos chamar a população para essa discussão, porque entendemos que o hospital é uma necessidade”, argumentou Osório.

 

(Por: Luiz Carlos Baggio)