No último dia (05), aconteceu o Dia Nacional do uso racional de medicamentos, data criada para alertar a população quanto aos riscos da automedicação. A farmacêutica, Caroline Munhoz, comenta que milhares de pessoas morrem por ano no Brasil, devido a intoxicação.

De acordo com o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), 30% de todas as intoxicações que ocorrem no Brasil são ocasionados pelo uso excessivo ou incorreto de medicamentos “a população não está usando na dose, tempo correto e para a situação adequada”, destaca Caroline.

  • Compartilhe no Facebook

Farmacêutica Caroline Munhoz (Foto: Julio Bueno)

Quando falamos de intoxicação, logo pensamos em venenos, outros tipos de substâncias. Segundo ela, a única diferença entre medicamento e veneno é a dose é utilizada. Isso se deve principalmente ao livre acesso as várias classes de medicamentos sem a prescrição médica, “muitas vezes nos esquecemos que as farmácias contam com o farmacêutico, o que nos possibilita solicitar orientação”.

Outro risco é ter uma “farmacinha” em casa, “não estou dizendo que a gente não deve ter um medicamento para febre, mas o grande problema é você comprar um medicamento e deixar guardado o que restou, querendo usar numa próxima situação. Muitas vezes a gente não se dá conta, mas nesse meio tempo, pode se passar um ano, talvez até mais do que isso e o medicamento já ter vencido”.

Quanto aos medicamentos vencidos, as unidades básicas de saúde e algumas farmácias realizam o recolhimento, pois o lixo comum não é o lugar adequado para o descarte, que pode inclusive gerar a contaminações do ambiente.

Neste sábado (11), o curso de Farmácia da Unisep estará no calçadão central de Francisco Beltrão, promovendo uma campanha a respeito do uso racional de medicamentos, a partir das 8h30. Na ocasião serão orientados o uso dos medicamentos, recolhimento de medicamento vencidos e também oferecidos testes de saúde, como a verificação da pressão arterial e a verificação da glicemia, o famoso teste de diabetes.

Confira a entrevista: