Calor, chuva, água parada são os principais fatores que contribuem para a proliferação do mosquito Aedes aegypti. Muitas cidades estão em alerta pelo alto índice de manifestação do mosquito, em algumas já tem caso confirmado de pessoas que contraíram a doença. Em Chopinzinho, o índice permanece baixo, mas a atenção dever ser redobrada. Com a proposta de ampliar os trabalhos no combate ao Aedes Aegypti, a Secretaria de Saúde, através do Departamento de Vigilância em Saúde vai realizar ações nos bairros, escolas e empresas.

“Precisamos mobilizar a população, por mais que o setor de vigilância trabalhe no combate ao mosquito, precisamos que todos redobrem a atenção, vistorie onde mora, o bairro ou comunidade”, afirma a Secretária de Saúde, Vilmarize Buffon.

O mosquito Aedes aegypti transmite as doenças da dengue, febre amarela, chikungunya e o vírus Zika. Para combater a população pode ajudar verificando se não tem água parada em vasos de flores, litros, pneus, manter os lotes limpos e também denunciar caso identifique um possível criadouro.

No começo de janeiro, foi realizado em 10 pontos de Chopinzinho, o Levantamento de Índices do Aedes Aegypti (LIRA), cuja infestação foi de 0.9. “Não significa que o município esteja pouco infestado, a população tem que entender que o índice larvário foi baixo, mas aqui temos infestação do mosquito”, destaca Sandra Toigo, Diretora do Departamento de Vigilância em Saúde.

Na terça-feira (21) aconteceu uma reunião na 7ª Regional de Saúde, em Pato Branco para debater a situação de cada uma das 15 cidades pertencentes a regional e adotar medidas nesse período mais propenso para o surgimento do mosquito.

Em Chopinzinho, o setor de vigilância está reforçando o trabalho no combate ao mosquito. “O departamento vai levar informações nas mídias, rádio, vamos passar por todas as escolas, orientar as empresas, vamos trabalhar com a prevenção, orientação todos os dias, além do trabalho de campo e fiscalização”, ressalta Sandra.

SE LIGA NAS DICAS

NÃO DEIXE ÁGUA PARADA – Destruir os locais onde o mosquito nasce e se desenvolve. Evite sua procriação.

LIXEIRAS DENTRO E FORA DE CASA – Mantenha as lixeiras tampadas e protegidas da chuva. Feche bem o saco plástico.

VASILHAS PARA ANIMAIS – Os potes com água para animais devem ser muito bem lavados com água e sabão no mínimo duas vezes por semana.

PLANTAS QUE ACUMULAM ÁGUA – Evite ter bromélias e outras plantas que acumulam água, ou retire semanalmente a água das folhas.

COLETOR DE ÁGUA DA GELADEIRA E AR-CONDICIONADO – Atrás da geladeira existe um coletor de água. Lave-o uma vez por semana, assim como as bandejas do ar-condicionado.

RALOS – Tampe os ralos com telas ou mantenha-os vedados, principalmente os que estão fora de uso.

CALHAS – Limpe e nivele. Mantenha-as sempre sem folhas e materiais que possam impedir a passagem da água.

CAIXAS D’ÁGUA, CISTERNAS E POÇOS – Mantenha-os fechados e vedados. Tampe com tela aqueles que não têm tampa própria.

FACILITE O CONTROLE DA DOENÇA – Permita sempre o acesso do agente de controle de zoonoses em sua residência ou estabelecimento comercial.

SINTOMAS CLÁSSICOS DA DENGUE:

– Febre alta com início súbito;

– Dor de cabeça;

– Dor atrás dos olhos, que piora com o movimento deles;

– Perda de paladar e apetite;

– Náuseas e vômitos;

– Tonturas;

– Extremo cansaço;

– Manchas e erupções avermelhadas na pele semelhantes ao sarampo ou rubéola, principalmente no tórax e membros superiores;

– Moleza e dor no corpo;

– Dores nos ossos e articulações;

O QUE FAZER EM CASO DE SUSPEITA?

Em caso de suspeita de Dengue, procure a Unidade de Saúde ou Posto de Saúde mais próximo à sua residência. O rápido diagnóstico é fundamental no tratamento da Dengue!

DENÚNCIA DE FOCOS

Se você souber de algum local que não esteja observando as orientações de prevenção contra a dengue, denuncie à Secretaria da Saúde. Combater a dengue é dever de todos!

Fonte: Assessoria.