Membros do Conselho Municipal de Saúde, representantes do Instituto de Saúde Santa Clara, Secretaria de Saúde e da comissão de Saúde, Educação e Assistência Social da Câmara de Vereadores, participaram na manhã desta quarta-feira (22), no Centro de Especialidades Odontológicas (CEO), de uma reunião para discutir a portaria de Nº 561 de 26 de março de 2020 do Ministério da Saúde.

A portaria publicada no Diário Oficial da União no dia 26 de março, autoriza a utilização de leitos de hospitais de pequeno porte para cuidados prolongados em atendimento dos pacientes crônicos oriundos de Unidade de Terapia Intensiva e leitos de enfermaria de hospitais de referência ao COVID-19.

De acordo com o Memorando Circular de nº 11/2020 CCS/DGS/SESA de 13 abril de 2020, os estabelecimentos que se habilitarem e atualmente são referência para a Rede Materno Infantil, Rede de Urgência, Saúde Mental e Oncologia, não poderão continuar prestando esses atendimentos.

Portanto, após a votação ficou decidido pela maioria dos participantes o não credenciamento do Instituto, pois ficaria inviável o atendimento da população da microrregião, sendo os municípios de Candói, Foz do Jordão e Reserva do Iguaçu. Caso fosse aprovado, os pacientes dessas localidades seriam referenciados para outras cidades, como, Laranjeiras do Sul e Pinhão.

O presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, vereador S;ergio Wegner de Vargas (Cidadania/PPS), participou das discussões. Em entrevista à Extra FM, comentou sobre as deciões tomadas entre os membros do Conselho Municipal e a diretoria do Instituto Santa Clara.

Ouça a entrevista…