Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
18 de janeiro de 2022
Rádios

Saiba como funcionam as novas regras da aposentadoria

Geral

por redação

Publicidade

Na última semana, a presidente Dilma Rousseff editou a Medida Provisória (MP) 676, com uma nova fórmula para o cálculo de aposentadorias, variando progressivamente com a expectativa de vida da população brasileira. Pela nova proposta, o trabalhador que preencher os requisitos para se aposentar por tempo de contribuição poderá abrir mão do fator previdenciário e optar pela fórmula “85/95” – mas ela será acrescida em 1 ponto em diferentes datas, a partir de 2017 – atrasando um pouco mais o acesso ao benefício.

A fórmula 85/95 é calculada pela soma da idade do segurado mais o tempo de contribuição. Assim, o trabalhador poderá se aposentar com 100% do benefício, quando a soma for 85, no caso das mulheres, e 95, no caso dos homens. O tempo mínimo de contribuição para elas é de 30 anos e, para eles, de 35 anos.

No entanto, o novo cálculo proposto pela presidente não deverá contar com o aval do Congresso Nacional, que sinaliza a derrubada da MP. Outro ponto contrário à proposta presidencial é de que, a partir de 2022, a fórmula se tornará ineficiente, conforme avaliação do Dr. Jeander Giotto, advogado especialista no ramo previdenciário.

Ouça:

Publicidade
Publicidade

 

De acordo com ele, a primeira regra, proposta pelo Congresso, com o cálculo 85/95 é a forma mais simples e mais vantajosa para o trabalhador. Esclareceu que não é necessário atingir os 60 anos (para mulheres) ou 65 (para homens) para a realização do cálculo 85/95. Caso o trabalhador tenha atingido o tempo mínimo, ele poderá pedir a sua aposentadoria de forma integral, sem incidência do fator previdenciário. “Dessas últimas decisões tomadas, a fórmula 85/95 é a única que pode-se dizer, à princípio, que é vantajosa. As demais (seguro-desemprego, pensão por morte, auxílio-doença), não são vantajosas e realmente visam prejudicar o segurado, dificultando o acesso aos benefícios. É uma forma de o Governo cortar gastos e ele acaba diminuindo na Previdência”, avaliou Giotto.

Explicou que para o cálculo do valor a ser pago ao aposentado, é feita a média das maiores contribuições realizadas e esse resultado é definido como o RMI (Resultado Mensal Inicial) do benefício. Conforme Giotto, para o caso de aposentadorias por idade, o indivíduo que atingir a idade mínima, 60 ou 65, poderá pedir o benefício, desde que tenha 15 anos de contribuição.

Publicidade
Publicidade

Fator Previdenciário

Segundo o advogado, o Fator Previdenciário, criado em 1999, no governo Fernando Henrique Cardoso, foi uma forma de desestimular os trabalhadores a se aposentarem precocemente. Assim, mesmo já tendo completado o tempo mínimo de contribuição, o segurado sofreria um corte significativo no benefício, obrigando-o a continuar trabalhando, aumentando a idade e o tempo de serviço. “Alguns casos que nós realizamos o cálculo, o Fator Previdenciário cortou em até 50% o valor inicial do benefício.”, relatou.

Pensão por morte

Explicou que a partir de agora, é analisada também a expectativa de vida do beneficiado. Exemplificou que, hoje, para uma mulher receber o benefício de forma vitalícia ela deve ter, no mínimo, 44 anos de idade. Além disso, também foi alterado o valor a ser pago. Antes da nova lei, era repassado o valor integral para o pensionista. Com a nova legislação, é pago 50% do benefício, mais 10% por beneficiário, respeitando o salário mínimo. Salientou que outros pontos também são levados em consideração, como o tempo de convívio, tempo de contribuição do instituidor, entre outros.

Publicidade
Publicidade

Desaposentação

Informou que é aguardada a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a desaposentação, que seria uma forma de cancelar um benefício inicial e implantar um novo pedido. “Seria algo automático, como uma revisão. É importante ressaltar que o prazo para o pedido de desaposentação é de 10 anos. A pessoa que está aposentada há mais de 10 anos não pode mais mexer no benefício, devido à decadência. Para fazer esse pedido, a pessoa pede o cancelamento e uma nova aposentadoria. A partir do momento em que um benefício é cancelado e outro é solicitado, dois fatores são levados em consideração: primeiro, se a pessoa depois de aposentada continuou contribuindo e segundo, a alteração da idade, porque o fator previdenciário considera o avanço da idade e a diminuição da expectativa de vida e isso tem muito reflexo no valor do benefício.”, explicou.

Previdência Privada

Diante de todas essas discussões em torno da Previdência, os bancos e instituições financeiras investem em propaganda sobre a Previdência Privada. Giotto alerta para alguns fatores que devem ser levados em consideração na hora de se buscar esse tipo de investimento. “Como valor complementar ela é vantajosa. Porém, grande parte das instituições não levam em consideração situações como incapacidade do segurado. Por exemplo, se nesse meio tempo, o beneficiário ter algum problema de saúde e ficar incapacitado, muitas vezes os bancos apenas devolvem o valor corrigido, se a pessoa não tem mais condições de pagar. Esse é o diferencial da previdência pública, que, no caso de uma doença, ela ainda ajuda o segurado.”, pontuou.

Publicidade