Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
17 de abril de 2021
Rádios

Safra da maçã supera 10 mil toneladas em Palmas com aumento de 5%

Cotidiano

por Ivan Cezar Fochzato

WhatsApp-Image-2017-12-31-at-14.51.23
Publicidade

A safra da maçã 2019/2020 de Palmas encerrou com crescimento superior a 5 % em relação a colheita anterior. O resultado, quanto a produtividade e preço, é avaliado como positivo pelos pomicultores do município paranaense. O levantamento realizado Associação Brasileira dos Produtores de Maçãs(ABPM) e Cooperativa dos Campos de Palmas (Cocampal) será utilizado pelo Departamento de Economia Rural(DERAL) para elaboração do VBP – Valor Básico de Produção.

[Grupo RBJ de Comunicação] Safra da maçã supera 10 mil toneladas em Palmas com aumento de 5% — Variedade Gala superou a 5,5 mil toneladas
Variedade Gala superou a 5,5 mil toneladas
[Grupo RBJ de Comunicação] Safra da maçã supera 10 mil toneladas em Palmas com aumento de 5%

Das 10.218 toneladas, maior volume colhido  foi da variedade Gala com 5.550 toneladas, seguida da Fuji com 4.210 toneladas. As variedades precoces renderam 450 toneladas. Para o presidente da Cooperativa e Diretor Técnico da ABPM, Ivanir Dalanhol, a  safra foi muito boa com pomares novos entrando no ciclo de produção em escala comercial. “Alcançamos nesta safra 27 toneladas por hectare em média”, disse ele. Avaliou que mesmo sendo um ano com diminuição do calibre dos frutos, será possível uma boa rentabilidade para os produtores pela menor oferta do produto mercado, ocasionada pela queda na safra nacional, que deverá fechar em 970 mil toneladas, entre 5 e 10% menos que a projeção inicial e o volume colhido na safra anterior.

Revelou que o setor enfrenta impacto das medidas de enfrentamento ao Corona vírus com dificuldade para a comercialização dos frutos menores para a indústria e para a merenda escolar, em função da suspensão das aulas em todo o  país. Além disso, os vendedores ambulantes deixaram de comprar o produto direto dos produtores ou nos centros de abastecimento(Ceasa).“Apesar destes problemas pontuais, dá pra se dizer que a cultura da macieira foi muito bem e os produtores não podem se queixar”, avaliou. Em relação ao mercado, apontou como fator positivo o aumento do consumo do produto nacional. A elevação do preço do dólar tem desestimulado às importações do produto.

Na safra 2018, quando foram colhidas 9,7 mil toneladas,  no município a atividade rendeu R$ 24,8 milhões, conforme dados do VBP.

Publicidade
Publicidade

 

Publicidade