Sexta-feira, dia 05 de maio, ao meio dia, em Aparecida/SP, concluímos a 55ª Assembleia dos Bispos do Brasil. Éramos em torno de 370 bispos provenientes das 270 dioceses brasileiras, distribuídas em 18 Regionais. Além destes, contamos com uma equipe de teólogos e assessores em diferentes áreas temáticas. Digno de registro ainda foram as pessoas que prestaram serviços e a logística necessária à assembleia. Totalizando em mais de 450 pessoas que estivemos juntos à Casa da Mãe Aparecida. Esta foi minha primeira assembleia e a outros 23 novos bispos. Foi uma experiência de comunhão, colegialidade e cumplicidade na missão apostólica que a Igreja nos confiou como bispos, pastores do rebanho do Senhor Ressuscitado, o Filho de Deus. Senti-me acolhido no episcopado brasileiro e amparado para exercer este ministério com disposição, esperança, sendo um servidor do Evangelho, um servo de Jesus Cristo.

Nossa jornada começava sempre às 07h30min, com a celebração da eucaristia, no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida. Nesta eucaristia rezávamos pelo povo do Brasil, pelo povo de nossas dioceses, especialmente pelo êxito da assembleia e que nossas reflexões fossem guiadas pelo Espírito Santo a fim de que o nosso pastoreio seja fecundo, que nossas ações apostólicas tivessem como objetivo principal a vida de fé de nossos fiéis.

Outro ambiente fundamental da assembleia foi o Centro de Eventos padre Vitor Coelho de Almeida. Toda a pauta do encontro dos bispos aconteceu neste grande auditório. Entre muitos temas abordados com especialistas e espertos, destaco o tema principal da assembleia: A iniciação à vida cristã. Este tema demandou tempo, grupos de trabalho, emendas, esclarecimentos, e por fim, a aprovação por parte dos bispos por quase unanimidade. Trata-se de um itinerário, um caminho para formar discípulos missionários. Posteriormente vamos tratar deste tema com todos os padres, religiosas, religiosos, e com todas as lideranças de nossa diocese. Com certeza que este itinerário será um marco na evangelização da Igreja do Brasil, será uma nova etapa do processo de transmissão da fé, porque a vida cristã é um projeto de vida, não unicamente em preparação imediata para a recepção dos Sacramentos. Iniciados à vida cristã para a vivência continuada na comunidade, sinal concreto do Senhor Ressuscitado.

Ocupamo-nos ainda com questões de liturgia, teologia, formação de novos sacerdotes, ecumenismo, economia, missão e dos desafios pastorais,

olhando com carinho e de coração aberto às igrejas do Norte e Nordeste do Brasil. Algumas experiências que nos foram feitas pelos prelados destas comunidades nos sensibilizaram quanto nossa participação junto às diocese, quer enviando sacerdotes e também recursos financeiros para custear a formação dos seminaristas. Trata-se do projeto Igrejas Irmãs. Nossa diocese coopera com a diocese de Marabá, no Pará, com um sacerdote, e com recursos financeiros.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil é uma instituição de grande importância à Igreja e à sociedade em geral. Sendo assim, ela não fica indiferente aos desafios e às angústias vividas no cotidiano de nosso povo. As interpelações de nossa gente repercutem nesta conferência, e também com os bispos reunidos. Foi importante de igual modo a sua mensagem ao povo brasileiro nesta delicada conjuntura política, econômica e social pela qual passa o Brasil. O momento é grave em todos os aspectos. Não compete à Igreja apresentar soluções técnicas para os graves problemas vividos pelo País, mas oferecer, à luz do Evangelho, que faz ver os caminhos da verdade para a edificação de uma “sociedade à medida do homem, da sua dignidade, da sua vocação” (Bento XVI).

De suma importância aos bispos foi o dia de retiro. Um monge trapista, de Campo do Tenente, Paraná, foi o orientador, sob o título de “As três faces de Maria”. No final do retiro, em romaria fomos ao Santuário para celebrar o jubileu dos Bispos pelos 300 anos de aparição de Nossa Senhora, em Aparecida. Em oração e preces pedimos, pela intercessão de Nossa Senhora,  que nos conceda a graça de irmos ao encontro de Jesus, Água Viva. Pedimos à Mãe que volva seu manto sagrado sobre cada um de nós, nossas famílias, nossa Pátria, e sobre o povo de nossa diocese de Palmas/Francisco Beltrão. Que a Mãe interceda em favor de todos e que nos mostre sempre o caminho de Jesus, o Bom Pastor.

Dom Edgar Ertl