• Compartilhe no Facebook

Jesus formou o grupo dos 12.

 Neste domingo, 2 de agosto, a Igreja celebra o Dia do Padre. Depois de chamar a Pedro, André, Tiago e João, posteriormente os demais, formando o grupo dos 12, para segui-lo, Jesus convidou e convida muitos outros para serem os seus discípulos e estes hoje são os nossos sacerdotes, servidores da Boa Notícia. Neste artigo quero destacar cinco palavras que brotaram do coração sacerdotal do Papa Francisco aos sacerdotes desta Diocese, cumprimentando-os pelo seu dia, com minhas orações e apreço.

  1. Um coração agradecido. Ser Sacerdote segundo o Coração de Cristo significa revestir-se d’Ele até ao ponto de ter os seus mesmos sentimentos. Entre tantas virtudes, o Coração de Jesus está aberto à gratidão; Ele agradece ao Pai pelos prodígios que realiza aos olhos dos pequenos, escondendo-os a quem, ao invés, fechado na presunção da sabedoria humana, não consegue vê-los. Por isso, a gratidão é uma qualidade especificamente cristã e deve pertencer ao modo de ser do pastor.
  2. Um coração misericordioso. Jesus não tem medo de se contaminar com a fragilidade humana, mas, antes, desce aos abismos da fragilidade humana e do pecado, para revelar o Coração misericordioso do Pai que levanta das quedas cada um dos seus filhos e os chama à alegria do perdão. O nome de Deus que Jesus revela é “misericórdia”. O Sacerdote, configurado com Cristo, é antes de mais o ministro da misericórdia e da reconciliação. Levando no seu coração a memória de ter sido olhado e chamado pelo Senhor, não pelos méritos pessoais, e fazendo diariamente a experiência de ser tocado pela misericórdia de Deus em tudo aquilo que vive e realiza, deve tornar-se sinal acolhedor do amor de Deus que quer chegar a todos, em todas as situações da vida, para curar do mal. Temos necessidade de Sacerdotes de trato misericordioso, capazes de acolher, escutar e acompanhar os irmãos, de modo especial no Sacramento da Reconciliação.
  3. Um coração compassivo. Os Evangelhos narram com frequência que Jesus, à vista das multidões cansadas e oprimidas, sente profunda compaixão (cf. Mt 9,36). Aos Sacerdotes, ministros de Cristo, pede-se o mesmo coração compassivo, que se exprime na proximidade, na participação real e integral nos sofrimentos e nos trabalhos das pessoas, na capacidade de relações que reacendem a esperança, na cura das feridas do Povo, de modo especial através da mediação da graça sacramental.
  4. Um coração vigilante. Muitas vezes Jesus recordou a importância da vigilância do coração que, que como servos fiéis, nos faz esperar com prontidão a vinda do dono da vinha; trata-se de dar espaço ao dom do Espírito Santo que, mesmo no meio dos compromissos diários e das obscuridades do tempo presente, nos faz discernir a presença do Senhor, nos torna atentos à sua Palavra, nos faz operosos na caridade de modo que não se esgote o azeite na lâmpada da nossa vida e, como as virgens prudentes, vamos ao encontro do Esposo que vem. É necessário, ao invés, deixar-se “despertar” sempre pela Palavra do Senhor e pelo grito do Povo de Deus.
  5. Um coração corajoso. Contemplando o Coração de Jesus, podemos captar os dois vínculos fundamentais, a partir dos quais Ele vive a sua missão: o Pai Celeste e o povo. A caridade dos seus gestos nunca é separada do silêncio e da oração, e a fadiga de um ministério, que nem tempo Lhe deixa para comer, nunca é separada da firme vontade de se retirar, para cultivar o íntimo colóquio de amor com Deus Pai. Do mesmo modo, o Sacerdote segundo o Coração de Cristo é aquele que “habita” entre o Senhor a quem consagrou a vida e o Povo que foi chamado a servir; ele poderá viver uma frutuosa caridade pastoral, na medida em que nele não se apagar a vida interior, a oração pessoal e comunitária e o deixar-se guiar no acompanhamento espiritual.

Dom Edgar Ertl