A Diocese de Palmas/Francisco Beltrão, através da Coordenação da Ação Evangelizadora, emitiu nota nesta quinta-feira (27), manifestando apoio à Greve Geral proposta por entidades sindicais e de classe para esta sexta-feira (28).

O documento assinado pelo Vigário Geral da Diocese, padre Geraldo Macagnan, afirma que o povo “precisa ser ouvido”, uma vez que, em especial os trabalhadores e os pobres, “estão vendo seus direitos adquiridos serem aniquilados diante de informações ‘inseguras, desencontradas e contraditórias’ sobre a realidade da Previdência”.

A manifestação da Igreja do Sudoeste do Paraná destaca outras discussões, como as alterações na legislação trabalhista e demais políticas públicas que garantem proteção social no país. “Em sintonia com o Conselho Permanente da CNBB, muitos bispos do Brasil, e outras lideranças religiosas, apoiamos a Greve Geral desta sexta-feira, 28 de abril. Será um momento de União de todos os trabalhadores e sofredores, para buscarem a prática da Justiça e a garantia de direitos que a Democracia em sua história lhes concedeu”, diz a nota.

Confira na íntegra:

DIOCESE DE PALMAS – FRANCISCO BELTRÃO

COORDENAÇÃO DA AÇÃO EVANGELIZADORA – FRANCISCO BELTRÃO

POSICIONAMENTO DA DIOCESE DE PALMAS – FRANCISCO BELTRÃO FRENTE À PARALISAÇÃO GERAL DE DE 28 DE ABRIL

Diante da realidade do povo brasileiro, de forma especial os trabalhadores e os pobres, que estão vendo seus direitos adquiridos e assegurados pela Constituição de 1988 aniquilados; diante das informações “inseguras, desencontradas e contraditórias” sobre a realidade da Previdência; diante da agenda política que pretende exterminar a legislação trabalhista (CLT), as aposentadorias e as demais políticas públicas de proteção social no Brasil;

A Diocese de Palmas-Francisco Beltrão, em sintonia com o Conselho Permanente da CNBB, muitos bispos do Brasil, e outras lideranças religiosas, apoia a Greve Geral desta sexta-feira, 28 de abril. Será um momento da união de todos os trabalhadores e sofredores, para buscarem a prática da justiça e a garantia dos direitos que a democracia em sua história lhes concedeu.

O povo precisa ser ouvido. A paz se escreve com justiça, respeito e diálogo.

Como cristãos, não podemos nos calar diante de projetos de leis que diminuam os direitos conquistados, tornem os pobres mais pobres e privem os trabalhadores de sua esperança.

Portanto, em unidade com a CNBB: “Convocamos os cristãos e pessoas de boa vontade, particularmente nossas comunidades, a se mobilizarem ao redor da Reforma da Previdência, a fim de buscar o melhor para o povo, principalmente os mais fragilizados”.

Que o Senhor, o Deus da Vida dos trabalhadores e pobres, ilumine nossos Legisladores, que tenham a sensibilidade de olhar para o humano e não somente para projetos econômicos. Que escutem o povo e pratiquem a justiça, superando a crise moral/ética com gestos de justiça e respeito.

Francisco Beltrão, 27 de Abril de 2017.

Pe. Geraldo Macagnan

Vigário Geral