Incentivar a participação social nas discussões da reforma da Previdência, é o que defende o Bispo da Diocese de Palmas/Francisco Beltrão, Dom Edgar Xavier Ertl, após participar da Assembleia dos Bispos do Paraná, onde o assunto também esteve em discussão entre o episcopado estadual.

Em entrevista à Rádio Club, o Bispo Diocesano pontuou que o excesso de opiniões emitidas sobre o tema, acaba por confundir a população, sem que a mesma  chegue à uma conclusão. “São tantas opiniões que nós não sabemos qual a verdadeira e quem mesmo serão os prejudicados”, aponta. Ouça a entrevista clicando aqui

Segundo Dom Edgar, na avaliação da Igreja, que buscou informações técnicas em torno da reforma, a maneira com que o Governo propõe as alterações não é adequada, uma vez que, além de vários aspectos, afetará profundamente os que mais necessitam de benefícios previdenciários. “Essas conquistas que adquirimos ao longo de décadas, começam a ser questionadas, parece que não servem mais”, critica.

Além disso, o Bispo Diocesano questiona se todas as grandes empresas brasileiras cumprem com suas responsabilidades, pagando à Previdência as contribuições referentes a seus funcionários. “Será que elas, de fato, são honestas? Será que todos os funcionários das grandes corporações serão beneficiados? Ou somente um grupo muito reduzido irá ganhar com essa reforma?”, indaga.

Salienta Dom Edgar, que a Igreja não é contrária à reformas, mas, embasada em afirmações técnicas, busca debater o modo com que essas alterações estão sendo elaboradas. “A Igreja tem uma opinião. O critério fundamental é sempre a verdade do Evangelho”, salienta.