O Tribunal Regional Eleitoral(TRE/PR) votou no final da tarde de ontem(31) pelo provimento parcial aos Embargos de Declaração apresentados pela defesa do prefeito de Palmas, sul do Paraná, João de Oliveira(PMDB) e seu vice, Nestor Mikilita(PTB) tendo em vista a  decisão anterior  que determinou pela cassação dos respectivos mandatos. Assim manteve a determinação inicial pela cassação de ambos sob o fundamento de que houve captação ilícita de sufrágio (compra de votos), nas eleições municipais  de 07 de outubro.

 Entretanto, o Tribunal  acatou o argumento da  defesa através do embargo de que  houve infringência de algo estabelecido em Lei, quando da decisão pela cassação, no que diz respeito a  falta de consistência de provas no fato que originou o processo. Com isso decidiu de que não deveria ocorrer de imediato o afastamento de ambos do cargo devendo-se aguardar a publicação do resultado da votação no Diário Oficial da Justiça, o que deve ocorrer na próxima sexta-feira.

Conforme a defesa, tão logo seja publicada a decisão do TRE/PR, será procedido  ajuizamento de medida cautelar para a concessão de efeito suspensivo. Caso seja acatada a medida, o processo deverá seguir em Recurso Especial Eleitoral(RESPE) para julgamento  então no TSE. Do contrário, o prefeito e vice deverão se afastar do cargo.


LEIA MAIS

 Situação política de Palmas continua indefinida

Tudo de Novo: TRE julga recurso favorável a Hilário Andraschko contra o atual prefeito João de Oliveira

TRE-PR julga recurso favorável a ex-prefeito de Palmas

Prefeito João de Oliveira e vice Mikilita vão ao TSE com pedido de suspensão de cassação

Manifesto contra julgamento do TRE pela cassação do prefeito de Palmas

Prefeito de Palmas comenta decisão do TRE que determinou sua cassação