Osmar Serraglio recusou nesta terça-feira (30) o convite do presidente Michel Temer para assumir o comando do Ministério da Transparência e retorna à Câmara Federal. No último domingo (28), o presidente decidiu trocar o comando do Ministério da Justiça e convidou Torquato Jardim, então ministro da Transparência, para assumir a pasta. A ideia era promover uma troca e, por isso, Serraglio foi convidado para ser ministro da Transparência no lugar de Torquato.

Por meio de nota dirigida ao presidente da República, Serraglio anunciou que volta à Câmara dos Deputados, onde “prosseguirá seu trabalho em prol do Brasil que queremos”.

Com a recusa de Serraglio, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), suplente da bancada peemedebista, perderá o mandato. Isso porque ele assumiu uma cadeira na Câmara em março, quando Serraglio foi nomeado para o Ministério da Justiça. Loures é ex-assessor especial de Temer e foi flagrado pela Polícia Federal (PF) carregando uma mala com R$ 500 mil em propina pagos pelo empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS. Após a revelação do pagamento, Rocha Loures foi afastado do mandato por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF).

Agora, com o retorno de Serraglio para a Câmara, Rocha Loures deixa de ser deputado e perde o foro privilegiado no STF. Mesmo sem o direito, ele continua sendo investigado pela Corte.

Íntegra da nota divulgada por Osmar Serraglio:

Excelentíssimo Senhor Presidente da República

Agradeço o privilégio de ter sido Ministro da Justiça e Segurança Público do nosso País.

Procurei dignificar a confiança que em mim depositou.

Volto para a Câmara dos Deputados, onde prosseguirei meu trabalho em prol do Brasil que queremos.

Osmar Serraglio