Gestores saíram por força da legislação eleitoral, que obriga futuros candidatos a se desincompatibilizarem seis meses antes das eleições.Em Passos Maia houve a desincompatibilização das chefias da pasta da Educação, Geni Mantovani; do secretário de Cidadania e Reforma Agrária, Renato Lopes; o secretário de Agricultura, Renato Loregian; e o secretário de Infraestrutura, Edemar Michellon.

Em Ponte Serrada deixaram os cargos secretárioo de Serviços Urbanos, Jurandir de Souza Bueno e de Assistência Social, Rubia Caroline Wrubel, que reassumiu uma cadeira na Câmara de Vereadores.

O objetivo da desincompatibilização é impedir que alguém que deseje se candidatar a cargo eletivo faça proveito do cargo público, da função pública ou da atividade profissional que exerce em benefício da campanha eleitoral, em detrimento da isonomia que deve existir entre os candidatos.

A Secretaria de Infraestrutura de Passos Maia agora é conduzida por Ênio Girardi. A Secretaria de Agricultura foi assumida por Nilson Perosa. Já os cargos de secretário de Educação e secretário de Cidadania e Reforma Agrária ainda não foram preenchidos.