Vice-prefeito Eduardo / Foto: Francione Pruch
  • Compartilhe no Facebook

Vice-prefeito Eduardo / Foto: Francione Pruch

Ao fechar o ciclo de quatro anos à frente de Francisco Beltrão, sudoeste do Paraná. O Vice-prefeito, Eduardo Scirea (PT) esteve na Rádio Onda Sul FM nesta terça-feira (20) para fazer uma avaliação do mandato e explicar algumas situações que ocorre na reta final da gestão.

Trabalho realizado, esse é o pensamento de Scirea, ao deixar o cargo neste mês, “quando assumimos e propomos administrar Francisco Beltrão por quatro anos, tínhamos visões, planejamento de algumas coisas que infelizmente não aconteceram, como também aconteceu muitas outras coisas boas para a cidade. Saio da administração satisfeito, com o dever cumprido”.

Militante pelo Partido dos Trabalhadores há mais de 30 anos, o vice-prefeito destacou que existem vitórias e derrotas, “estou na militância política há 33 anos, foram vitória se derrotas, a democracia é isso. Se você não souber respeitar e absolver os resultados, você não pode ficar na política”.

A derrota

No mesmo barco rumo ao segundo mandato, Cantelmo Neto e Eduardo Scirea registraram chapa para disputa eleitoral de 2016. Com três candidatos concorrendo, a Coligação Nova Geração não obteve existo e perdeu a disputa com aproximadamente 10 mil votos de diferença do vencedor, Cleber Fontana (PSDB).

Segundo Eduardo, a comunicação foi um dos fatores que prejudicou a reeleição, “acho que foram vários pontos. Faltou muita comunicação da nossa administração, não tivemos nos quatros anos comunicação. No meu entender faltou bastante divulgação e se comunicar mais com a sociedade”.

Indagado se nesse pleito não teve vontade de ser cabeça de chapa, ele respondeu, “não. Nunca tive plano B. Quando a gente entra num processo de composição, temos que pensar no grupo. Nunca pensei nisso, a única hipótese era se o prefeito Neto não seria candidato”.

Natal e Ano Novo

Um dos assuntos mais comentado neste mês, se trata da pouca decoração nos espaços públicos de Francisco Beltrão e do cancelamento do Show de Fogos que aconteceria na passagem do ano novo, no Morro do Cristo.

O tema tem dividido opiniões, alguns moradores aprovaram a ideia, pois significa economia para a cidade. Por outro lado, teve as opiniões contrárias. “Essa atitude foi tomada em conjunto com o nosso prefeito. Também fui da mesma opinião dele, conjugamos com a ideia de cancelarmos os fogos, já que a gente fez demissão antecipada dos cargos comissionados. Não seria de bom senso tirar um dinheiro das pessoas e fazer os fogos de artifício”, salienta Scirea.

No último dia 15 de dezembro, mais de 200 cargos comissionados foram exonerados. Isso deve impactar uma economia de aproximadamente R$ 380 mil para a cidade. “Quero enaltecer o perfil de administrador do prefeito, o qual trouxe as contas da municipalidade numa boa situação, se não estaríamos hoje sem condições de fazer o pagamento do funcionalismo, como acontece em muitas prefeituras”.

Deputados não trabalharam por Beltrão

No decorrer da entrevista, o vice-prefeito comentou sobre as dificuldades de recursos com o Governo Federal devido à crise econômica e corte no repasse de verbas e da falta de apoio do Governo Estadual. Esses fatores fizeram com que Francisco Beltrão perdesse recursos e, prosseguisse o andamento de algumas obras.

Um projeto amplamente debatido no sudoeste, principalmente entre Beltrão, Pato Branco e Renascença é o Aeroporto Regional. A proposta segue indefinida. Para Scirea, quando o projeto estava a cargo da esfera federal, a viabilidade de ser implantado o aeroporto em Beltrão era grande, mas quando chegava no governo do estado o projeto não tinha deputados que representasse o município.

“Um episódio marcante para mim, foi quando em Curitiba, participamos de uma reunião na secretaria de logística, onde tinha dois deputados de Pato Branco, foi aonde saiu a proposta para que reformasse o aeroporto de Pato Branco e conseguisse a linha aérea. Ou seja, não tinha participação de deputados nossos”.

Acompanhe a entrevista na íntegra: