O chefe das Relações Institucionais da Vice-presidência da república, Rodrigo Rocha Loures, esteve em Palmas, sul do Paraná, na última semana onde cumpriu uma extensa agenda. Na quinta-feira(28) à tarde se reuniu com professores e estudantes do IFPR e com um grupo de vereadores  do município. Á  noite esteve reunido com empresários e lideranças locais, onde ministrou uma palestra Conjuntura Brasileira e Educação. Na sexta-feira pela manhã esteve no Programa Dinâmica 1050 da Rádio Club AM.

                                                                                                                                   

Na ACIPA, Rocha Loures, que foi um dos principais articuladores junto ao governo federal para a federalização do UNICS passando à estrutura do IFPR, recebeu uma Carta Aberta assinada por uma série de entidades públicas e privadas do município. No teor do documento, as lideranças manifestam a necessidade de expansão da estutura do campus local em relação a cursos, professores e técnicos para atender demanda existente de dois mil e quinhentos alunos nos cursos de bacharelado, licenciara e técnicos. “Eu assumo esse compromisso com as lideranças e com a população de Palmas para juntos buscarmos atender as necessidades do campus do IF,  justamente porque a comunidade está unidade em torno desde objetivo de consolidar Palmas como centro de ensino federal para toda a região”, salientou.

Ainda apresentou as ações do governo federal no sentido de garantir o equilíbrio e a continuidade de crescimento da economia através de vários investimentos públicos que estão projetados nas áreas sociais, como a continuidade de programas como Minha Casa Minha Vida e na infraestrura de transportes no país, um dos principais gargalos do setor produtivo nacional.

Rocha Loures tranquilizou os empresários quanto a estabilidade da economia, citando o pacto firmado entre a presidenta. Dilma Rousseff, e as lideranças dos partidos de sua base aliada no Congresso Nacional (Câmara e Senado) para evitar a aprovação de novos cortes  e novos gastos sem previsão orçamentária. Com o entendimento, o governo pretende garantir para o mercado e investidores estrangeiros o compromisso com a austeridade fiscal. “O governo garante com o pacto que só gastará aquilo que arrecadar. Como em casa, se a família gasta mais do que ganha a situação se complica”, disse Rocha Loures.

Por outro lado, o agente político ouviu várias reclamações  de  empresários sobre o elevado custo de produção por conta da elevada carga tributária existente no país, diminuindo a competividade do produto nacional no mercado externo. Rocha Loures explicou que há necessidade de se  avaliar a situação sobre dois prismas: o peso que recai sobre ombros dos empresários e a necessidade de arrecadação por parte do governo para dar conta dos programas e manutenção da estrutura estatal. Ressaltou que apesar do atual quadro fiscal, o empresariado brasileiro tem apresentado crescimento econômico e expansação dos seus negócios nos últimos anos. “ É preciso encontrar um caminho para diminuir o custo de produção, sem a renúncia fiscal do governo.  Uma das medidas para aliviar o peso é o investimento do governo em várias frentes, como educação, programas sociais e infraestrutura”, explicou.

Durante a entrevista à Rádio Club, Rocha Loures,  informou que em relação ao pleito de Palmas pelo Instituto Federal, na quarta-feira(04) estará levando a reivindicação ao Ministério da Educação, no sentido de agilizar os procedimentos necessários. Falou ainda sobre a perspectiva política para as eleições de 2014, no âmbito das sucessões estadual e federal. Garantiu que Dilma Roussef e Michel Temer concorrerão ao um novo mandato e em relação ao estado do Paraná, defendeu candidatura própria do PMDB após um amplo debate em torno do nome ao cargo de governador. “ Time que não entra em campo não tem torcida”, resumiu Rocha Loures.