O Paraná poderá voltar a ter um representante no primeiro escalão do Governo Federal, caso a presidente Dilma Rousseff seja afastada e o vice, Michel Temer assuma a Presidência da República. Um dos cotados para a Esplanada dos Ministérios, deputado federal Ricardo Barros (PP), em entrevista ao RBJ/Rádio Club de Palmas, Sul do Paraná, nesta quarta-feira (04), confirmou a possibilidade de assumir o Ministério da Saúde ou a pasta da Agricultura, no provável governo Temer.

Salientou que o assunto ainda está indefinido, visto que para a pasta da Saúde, o Partido Progressista indicou o nome do cirurgião paulista Raul Cutait, que num primeiro momento recusou o convite, mas voltou atrás e colocou-se à disposição do vice-presidente da República. “No quadro de hoje, teríamos o Ministério da Saúde e da Agricultura e eu deveria ocupar uma dessas pastas.”, declarou.

No entanto, os planos do parlamentar são outros, uma vez que seu nome já estava confirmado para Secretaria de Planejamento do Paraná, onde iria atuar com mais proximidade à sua base eleitoral, comandando as articulações para as eleições municipais e organizar a casa para o pleito de 2018, quando o governador Beto Richa (PSDB), à princípio, deverá se afastar do cargo para uma possível disputa ao Senado e a sua esposa, a vice-governadora Cida Borghetti (PP), assume o governo do Estado. “Ela, que assume em abril de 2018, é pré-candidata ao Governo e deverá concorrer à reeleição já no cargo.”, avisa. Porém, os planos podem ser alterados, com a nova configuração do cenário político em Brasília.

Segundo Barros, o convite para integrar a equipe de Beto Richa já foi aceito, tendo adiado a sua posse por três oportunidades. “Eu havia me programado para estar no Paraná, mas como existe essa mudança de governo e o meu partido insiste em me indicar para um ministério, eu vou aguardar, porque essa convocação pode não se confirmar e eu irei para o Estado.”, avalia.