O prefeito de Mangueirinha, Sudoeste do Paraná, decretou moratória de 90 dias e a sustação de cheques assinados pela administração anterior e que ainda não foram descontados, até que seja realizado um levantamento geral das finanças municipais e auditorias em contratos da municipalidade.

Em entrevista à Rádio Club de Palmas nesta quarta-feira (04), Elidio Zimerman de Moraes, que ainda se recupera de uma angioplastia, à qual foi submetido na semana passada, falou sobre os primeiros trabalhos à frente do Executivo, cargo que já ocupou entre 1997 e 2000. Ouça a entrevista clicando aqui

Segundo ele, a sua equipe de governo deparou-se com uma “situação complexa” no setor de finanças, que obrigou o decreto de suspensão de ordens de pagamentos e cartas de crédito e débito do município, valores que giram na casa de R$ 1 milhão. “No último dia do mandato foram feitos os pagamentos. Nós não estamos contestando os mesmos, mas para preservar a idoneidade da instituição tomamos essas medidas, e caso se prove o contrário, a Justiça autorizará os devidos pagamentos”, salientou.

Disse ainda que a área de saúde também apresenta sérias deficiências, com a falta de medicamentos, além de não contar com veículos para o transporte de usuários do sistema de saúde municipal. “No contexto geral, a prefeitura está desprovida das mínimas condições de trabalho”, criticou.

Como primeiras medidas, Moraes afirmou que foram cortados cargos em comissão e gastos considerados desnecessários, colocando a saúde e a recuperação de estradas rurais como prioridades iniciais de seu governo. “A população pode esperar um trabalho sério e comprometido, voltado ao resgate do nosso município e torna-lo novamente protagonista no cenário regional”, enfatiza.