• Compartilhe no Facebook

O vereador do município de Abelardo Luz, Oeste de Santa Catarina, Lucas Sernajoto (MDB) renunciou ao cargo nesta sexta-feira (26). O documento de renúncia foi protocolado por advogado do parlamentar, na secretaria da Câmara Municipal. Sernajoto, que também é policial civil, está preso preventivamente desde o último dia 19.

No documento, Sernajoto informa que a renúncia “irrevogável e irretratável” se dá por motivos de ordem pessoal. O policial civil ocupava o cargo de vereador desde janeiro de 2017, após ser eleito em 2016 com 501 votos. Em seu primeiro ano no Legislativo, assumiu a presidência da Câmara, o que o levou a ocupar o cargo de prefeito interino, após afastamento do prefeito Nerci Santin e do vice-prefeito Cleomar Finger, também eleitos em 2016.

Logo após a prisão do vereador, o Poder Legislativo de Abelardo Luz, comunicou a suspensão do pagamento dos subsídios ao parlamentar. Com a renúncia, o suplente Antonio de Medeiros (PTB), deverá assumir a vaga de Sernajoto.

  • Compartilhe no Facebook

Documento de Renúncia

 

Entenda o caso

O policial está preso preventivamente desde o último dia 19, após se envolver em um acidente com uma viatura no interior de Abelardo Luz. O caso teria iniciado na noite do dia 17, quando Sernajoto teria liberado um homem que havia sido preso em flagrante pela Polícia Militar, após agredir e ameaçar de morte sua companheira. O indivíduo foi entregue na delegacia de Abelardo Luz, juntamente com uma arma de fogo utilizada no crime.

Segundo Nota Promissória, Sernajoto, utilizando a viatura da Polícia Civil, em companhia do preso, percorreu bares da cidade, onde ingeriram bebidas alcoólicas, contrariando a ordem de Medida Protetiva. Os mesmos foram até a residência da vítima e efetuaram disparos de arma de fogo conforme testemunhas de vizinhos. Ao amanhecer, retornando com a viatura, acabou capotando a mesma na localidade de Três Pontes, Assentamento Roseli Nunes.

O Ministério Público determinou a prisão no inicio da madrugada do dia 19, onde o Delegado Regional, Carlos Augusto de Andrade Morbini, cumpriu a prisão. Após procedimentos, exames no IML, o policial foi recolhido para uma das celas da Delegacia de Polícia Regional de Xanxerê.

Delegado Morbini, que também é diretor da Polícia de Fronteira, afirma que Sernajoto negou a ingestão de bebida alcoólica e disse que os tiros foram dados para cima.