O poder legislativo da região sudoeste do Paraná tem um gasto acima do esperado, há poucos dias nos impressionamos com os gastos da Câmara de vereadores Francisco Beltrão nos anos de 2013 e 2014 chegou a R$ 107,500 (Cento e sete mil e quinhentos reais. A situação mais assustadora foi São Jorge D´oeste, um município com pouco mais de 9 mil habitantes gastou somente no ano de 2013 o equivalente a R$ 187,070,00 (Cento e oitenta e sete mil e setenta reais), isso sem contar com o salario de todo mês, o único funcionário desta câmara que não teve despesas no ano foi a zeladora. Os vereadores gastaram mais de R$ 20 reais por habitante no respectivo ano.

Os números não param, a Câmara de Vereadores de Dois Vizinhos empenharam nos anos de 2013 e 2014, aproximadamente 185 mil reais em diárias. Em 2013 o valor foi de R$ 74,500,00 em 2014 subiu para R$ 109.600,00. A justificativa apresentada foi à necessidade de cursos de aperfeiçoamento para o desenvolvimento de atividades como vereador e para o melhor desempenho como servidor público. Lembrando que no município Dois Vizinhos uma viagem até a capital do estado, o vereador recebe R$ 451,60 (Quatrocentos e cinquenta e um reais e sessenta centavos) por dia. Essas informações estão no  Jornal de Beltrão. Pois o site do portal da transparência estava indisponível por motivos técnicos para acesso .

O município de Pato Branco teve uma despesa de 107,000 (Cento e sete mil) em dois anos. É um dos maiores municipios da região.

Verê foi um dos que menos gastou em 2013 em torno de R$ 12,600 (Doze mil e seiscentos reais), ou seja, R$ 1.050 (Mil e cinquenta reais), ao mês. Os dados estão no Portal da Transparência dos municípios.

A adversidade ainda é que  alguns vereadores nessas cidades além de ocupar o cargo no legislativo, também são funcionários públicos das prefeituras e devem ter desconto na folha de pagamento no dia em que estão trabalhando a serviço do legislativo. Cabe ao TCPR – tribunal de Contas do estado do Paraná, transpor se por ventura os mesmos tenham acumulado duplo de vencimentos como vereador, servidor público e determinar a devolução dos valores recebidos indevidamente.