Cinco partidos confirmaram na Rádio Club AM a formação de uma frente para disputar as eleições municipais de Palmas, sul do Paraná, em outubro. A apresentação do projeto ocorreu no último sábado (23), durante o Programa Dinâmica 1050 com representantes do PR, PPS, PMN, PP e PPL.

Na ocasião explicaram que a formação da Frente Renovação e Inovação é resultado de uma longa discussão e preocupação em torno de um projeto político diferente para Palmas. Para os partidários, independente do resultado da eleição, a união deverá permanecer colocando-se como força política para representatividade do município. Colocando-se como oposição ao atual governo municipal, argumentam que o projeto conjunto está centrado em modelo de modernização política e administrativa.

Representante do PR, Julio César Bevilaqua, informou que em relação a nomes a Frente terá entre 50 e 55 candidatos ao Legislativo e reforçou que o agropecuarista, Kiko Pagliosa, é pré-candidato a prefeito. Também o PPS, pela vereadora Joana Darc Franco de Araújo, informou que o partido terá chapa completa ao Legislativo e reafirmou que José Maria de Araújo Perpétuo Filho também é pré-candidato ao Executivo.

Pelo PMN participou do programa o presidente, Leonardo Maito, que voltou a reiterar  que após a realização de pesquisa, o partido também pode apresentar ao grupo um nome para a sucessão municipal.  De certo é que apresentarão chapa com 14 candidatos ao Legislativo.

O presidente do PPL, João Maria Sabatke, salientou que o partido está envolvido na composição da frente por acreditar no novo projeto político, mas que o Partido da Patria Livre, não terá candidatos ao executivo e legislativo.  O PP também não terá candidaturas neste pleito. Conforme explicou André Moraes, o partido está se reestruturando e voltando ao debate político do município.

Conforme os representantes, a Frente ainda não fechou questão quanto a quem será o candidato a prefeito e isso deverá ser feito após a realização de amplo entendimento e pesquisas de viabilidade. Salientaram ainda que o grupo está aberto para novos partidos e candidaturas, desde que, não haja qualquer imposição de nomes. Na condição de grupo oposicionista, apenas colocam como restrição a participação e indicação feita pelos grupos políticos de sustentação a atual administração.