O pacotaço de impostos aprovados na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) nesta semana dividiu opinião de lideranças e população paranaense. Antes da votação, a senadora Gleisi Hoffmann (PT) utilizou a tribuna do senado na segunda-feira (08) para criticar o aumento dos impostos propostos pelo atual governador do Paraná.

+ GOVERNADOR DO PR TIRA O COURO DO POVO COM AUMENTO NOS IMPOSTOS

+ ENTIDADES PARANAENSES CONTESTAM AUMENTO DE IMPOSTOS POR PARTE DO GOVERNO DO ESTADO

Durante entrevista a rádio Difusora América, na manhã de ontem (10) a senadora disse que, “esse pacotaço não tem por objetivo melhorar a economia do estado, deixar mais competitivo. Ele tem por objetivo arrecadar para cobrir o rombo fiscal do Paraná”.

Aprovado em segunda votação, por 32 a 13 votos. A partir do dia 01 de abril do próximo ano será aplicado aumento de 40% no IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores). Taxa em 11% os aposentados e pensionistas do estado que ganha acima do teto do INSS. Aumento de 12% para 18% ou 25% a alíquota do ICMS sobre até 95 mil itens de consumo popular.

“Todos os empréstimos do Paraná foram liberados, todos os recursos que o estado precisava foram liberados. O Paraná foi o estado que mais arrecadou, mais cresceu sua receita corrente líquida, e no entanto foi o que mais aumentou sua despesa, em 80%, enquanto o ICMS arrecadado aumentou 68%”.

Para Gleisi, “quem gasta mal tem rombo. Só que o problema agora é que está pondo esse rombo nas costas da sociedade. É muito triste. Eu esperava que a assembleia não aprovasse esse pacotaço. Aprovou, agora vamos ter que administrar estas consequências”.