O Diretor do Grupo RBJ de Comunicação, Pe. Valdecir Bressani, cumpriu, nesta semana, mais uma fase para a conclusão do curso de graduação em jornalismo. Licenciado em Filosofia e Bacharel em Teologia,  com especializações em Teologia Pastoral e Metodologia do Ensino Superior, o Mestre em Comunicação apresentou  Trabalho de Conclusão de Curso(TCC), pela Uninter, na primeira banca de Jornalismo em Educação a Distância(EAD) do Brasil, que retratou fato histórico.

O campo de pesquisa foi o Sudoeste do Paraná e atuação do rádio no movimento da década de 50. Um videodocumentário(  30 minutos e 57 segundos), acompanhado de relatório de 40 páginas embasaram a produção do resgate histórico/científico a partir do tema “Radiojornalismo na Revolta dos Posseiros de 1957, no Sudoeste do Paraná”.

O Movimento político/social  da Revolta dos Posseiros envolveu a disputa de terras entre o governo estadual, federal, companhias, colonos e posseiros no Sudoeste do Paraná. O auge dos conflitos aconteceu entre setembro e novembro de 1957 quando os colonos e posseiros, organizados, expulsaram as companhias de terras. Sem jornais impressos, o meio de comunicação era o rádio, com as recém-criadas rádios Colméia de Pato Branco, atual Rádio Celinauta) e Francisco Beltrão, atual Princesa).

Padre Bressani argumenta que,  como há uma riqueza de trabalhos acadêmicos, livros, produções audiovisuais sobre a Revolta dos Posseiros, o desafio em sua pesquisa foi fazer um recorte sobre o papel do radiojornalismo naquele contexto. Avaliou que as emissoras, mesmo diante  dificuldades operacionais da época, demonstraram-se capazes de lidar com os fatos produzindo e propagando informações seguras e éticas sobre a realidade dos trabalhadores.

  • Compartilhe no Facebook

“Diante de um contexto cada vez mais polifônico, a releitura dos fatos históricos e da presença do radiojornalismo torna-se gratificante perceber o papel que a comunicação tem diante dos diferentes problemas sociais”, argumenta Pe. Bressani.

“Foi um intenso trabalho de seleção do tema, planejamento, seleção das fontes, coleta dos dados, checagem e organização das informações, construção do roteiro, entrevistas, produção, edição e finalização, mesmo com as limitações impostas pela pandemia”, contou o professor de Comunicação no Instituto Sapientia de Filosofia, Diretor e Editor da Revista Olhar Diocesano e Assessor eclesiástico da Pastoral da Comunicação do Paraná, Regional Sul II.

O Diretor do Curso e Orientador da Pesquisa, Dr. Guilherme Carvalho, destacou que trabalho acadêmico demonstrou o papel do rádio como protagonista na Revolta, que expressa muito do que é o Brasil, do que acontece neste país ao longo da história, em geral apontando beneficiamento de certos interesses e grupos em detrimento de outros, muitas vezes das classes sociais mais humildes. “Apresenta o rádio como instrumento civilizador, salvando vidas, evitando mortes e riscos com a vida. Um trabalho de valor inestimável para outras gerações e o papel do rádio na história”, pontua.

A banca examinadora formada ainda pelos professores, Andre Corradini e  Jeferson  Ferro, aprovou o trabalho com recomendações para publicação e inscrições em concursos de jornalismo, mediante a relevância do tema e a qualidade da produção.