Por coincidência do destino, poucas horas após sua esposa, a deputada federal pelo Estado de Minas Gerais Raquel Diniz (PSD), manifestar seu voto favorável pela admissibilidade do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff (PT), o prefeito de Montes Claros, no Norte do Estado mineiro, Ruy Muniz (PSB), foi preso preventivamente pela Polícia Federal em Brasília, onde acompanhou a votação sobre o processo de afastamento na Câmara Federal. Ao proferir seu voto, a deputada citou o marido e elogiou sua gestão no Executivo municipal.

A operação “Mascara da Sanidade II – Sabotadores da Saúde” investiga o prefeito mineiro e outros funcionários públicos por fraudes em licitações na área da saúde. A secretária de saúde de Montes Claros, Ana Paula de Oliveira Nascimento, também foi presa. Outros quatro mandados de busca e apreensão e mais dois de busca pessoal foram expedidos.

De acordo com as investigações da PF, os acusados teriam tentado prejudicar o funcionamento dos hospitais públicos do município mineiro. Em outubro do ano passado, os investigados promoveram a retirada de cerca de 26 mil consultas especializadas e 11 mil exames dos hospitais, deixando de prestar os serviços pela rede municipal. Dessa forma, os acusados pretendiam favorecer o Hospital das Clínicas Mário Ribeiro da Silveira, que pertence a Ruy Muniz e seus familiares. Além disso, as investigações apuraram que o prefeito fez uso de dinheiro público para realizar campanhas difamatórias contra hospitais concorrentes, através de veículos de comunicação. Se for condenado, o prefeito mineiro poderá ter uma pena de mais de 30 anos de prisão.

Durante seu voto na sessão de domingo (17), que aprovou a admissibilidade do processo de afastamento da presidente Dilma, a deputada Raquel Muniz, como boa parte do plenário, que utilizou-se da tribuna como ponto de declarações a familiares e amigos, citou filhos e netos, além de exaltar a gestão do marido na prefeitura de Montes Claros:

– Meu voto é em homenagem às vítimas da BR-251. É para dizer que o Brasil tem jeito e o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão. Meu voto é por Tiago, David, Gabriel, Mateus, minha neta Julia, minha mae Elza. É pelo norte de Minas, é por Montes Claros, é por Minas Gerais, é pelo Brasil. Sim, sim, sim.

Em nota, a prefeitura de Montes Claros informou que o prefeito permanece em pleno exercício do cargo e que todos os órgãos continuam funcionando normalmente. “A administração tem plena convicção de que a decisão absurda será revertida com a maior brevidade possível, por entender que a Justiça Federal foi induzida ao erro ao receber informações que não se harmonizam com a verdade”, diz a nota.

Ainda segundo a nota, o prefeito cobrou profundas mudanças no sistema de saúde de Montes Claros, contrariando grandes interesses, o que provocou uma perseguição política contra ele e contra a secretária de Saúde.