Vereadores / Foto: Arquivo RBJ
  • Compartilhe no Facebook

Vereadores / Foto: Arquivo RBJ

Entrou na semana passada (17) em votação no legislativo de Chopinzinho, o Projeto de Lei 39/2016, o mesmo tem por objetivo fixar auxílio moradia e auxilio alimentação para os médicos que trabalham para o município. Com a proposta geraria um gasto adicional de aproximadamente de R$ 420.000,00 para o cofre público.

A proposta foi encaminhada pelo executivo, nela determina R$ 1.500,00 de auxílio moradia e R$ 2.000,00 mês de auxílio alimentação aos médicos lotados na Secretaria Municipal de Saúde.

“Não vejo muita polêmica, simplesmente estou vendo um projeto claro aqui. Estamos resolvendo um problema crônico de quinze anos atrás”. Disse o vereador Claudemir Malage (PSD), durante a sessão, o qual acrescenta, “você faz um concurso, em que outros municípios pagam cinco mil [reais] não parece nenhum médico. Temos cerca de 20 médicos atendendo o município, a nossa saúde hoje serve de modelo aqui no sudoeste”.

A legisladora Édina Accorsi (PV) se manifestou sobre as alterações, onde destacou que o município não terá novas despesas, “na verdade é uma mudança de nomenclatura, uma mudança na forma contábil, onde eles eram pago através de gratificações e hoje podendo ser regulamentado. Uma decisão também do Ministério Público para que seja feita então esses auxílios não aumentando as despesas”.

Foto: Reprodução
  • Compartilhe no Facebook

Foto: Reprodução

Por outro lado, houve insatisfação da Sismuch (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Chopinzinho). No mesmo dia que o projeto foi debatido, o sindicato protocolou um documento encaminhado a Câmara e ao Executivo, questionando alguns pontos, “tal vantagem, embora caracterizada como verba indenizatória, apresenta majoração dos valores recebidos junto aos seus respectivos vencimentos habituais. Os demais servidores, sabidamente, há muito tempo recebem auxílio alimentação no valor de R$ 100,00, sem que nesse tempo ocorresse o reajuste do mesmo”.

O vereador de oposição Jacir Saloria (PMDB) reconheceu que a proposta é polêmica, “as medidas que estão sendo adotadas hoje são polêmicas, mas a sociedade tem que observar a importância que tem esse projeto o objetivo de regulamentar todo o processo futuro de rendimento dos médicos”.

Hoje (24) o projeto entra na segunda votação, durante a sessão ordinária da Câmara de Vereadores, a qual pode ser acompanhada também pelo rádio, através da Difusora América, a partir das 18 horas.