Após meses de espera e ansiedade,a população de Ponte Serrada (SC),voltou às urnas para novamente, escolher o seu prefeito. No pleito de 2012,o então candidato Clodemar Ferreira, popular Nanico, recebeu o maior número de votos, mas não assumiu a cadeira no Executivo do município, pois foi afastado com base na Lei da Ficha Limpa. Até que a situação fosse resolvida, o presidente da Câmara de Vereadores, Eduardo Coppini, assumiu a prefeitura. Após várias audiências e recursos apresentados, foi determinada uma nova eleição, realizada neste domingo (04).

Para o novo pleito candidataram-se o então prefeito interino Eduardo Coppini do PTB e o candidato derrotado na eleição de 2012 e que já governou o município em outras três oportunidades, Antoninho Rossi do PSD. Ao tentar angariar os votos da população ponteserradense, o candidatos optaram por campanhas distintas. Rossi preferiu uma campanha silenciosa, com poucos eventos abertos e encontros de grande porte. Já do outro lado, Coppini optou por uma campanha com muita propaganda, passeatas e vários movimentos populares, que o fizeram saltar nas pesquisas e ser eleito prefeito com 3.673 votos (51,62%) contra 3.443 votos (48,38%) para Rossi.

Os dias que antecederam o pleito foram de muita tensão no município. Várias denúncias de compra de voto, ameaças, entre outros casos foram apresentadas à Delegacia de Polícia. Na última semana, a juíza, o promotor e uma suplente da Câmara de Vereadores de Ponte Serrada, foram vítimas de uma tentativa de homicídio.

No dia do pleito ainda um policial militar aposentado foi conduzido à delegacia por portar uma pistola 380 em desacordo com a determinação legal ou regulamentar. O autor, de 55 anos, também teria feito ameaças contra um homem de 36 anos. Um flagrante de compra de votos ainda levou outra pessoa para a delegacia. Além disso, um caso de propaganda eleitoral em recinto aberto, na forma de distribuição de santinhos e adesivos, foi parar na delegacia.