Sessão Câmara / Foto: Edson Zuconelli (Arquivo)
  • Compartilhe no Facebook

Sessão Câmara / Foto: Edson Zuconelli (Arquivo)

O impasse entre o Hospital Policlínica Chopinzinho e Poder Público, não ficou de fora dos debates do legislativo de Chopinzinho, sudoeste do Paraná. Com sessão rápida nesta terça-feira (26), teve poucos projetos e indicações na pauta do dia, os vereadores aproveitaram o momento da palavra livre para debater o principal assunto na cidade.

+Atendimento de saúde em jogo

+ Prefeito busca apoio do estado para resolver impasse com hospital

A vereadora Édina Accorsi (PV) abriu a discussão, “sabemos que é uma situação lamentável para o município, precisa ser resolvido, com saúde não se brinca. Mas devemos procurar soluções e não devemos permitir que vereadores, se aproveitem desse momento para fazer política ou fazer panelaço em frente à prefeitura, na frente da casa do secretário. Não devemos permitir isso. Precisamos lutar por um município melhor”.

A vereadora ainda destacou, “semana passada a gente falava de um Brasil sem corrupção. Assim como a gente quer um estado, município sem corrupção, não podemos defender aqui pessoas que hoje estão afastadas, com processos administrativos, enfim, suspeito de ser o mandante de assassinato. Não devemos defender esse tipo de situação e sim defender o município”.

 

O Vereador da oposição Jacir Salmória (PMDB), utilizou o espaço para rebater alguns argumentos, “quando se fazia campanha de porta em porta, ou nos comícios dizendo, nós nos tornaremos referência em saúde. Aí eu pergunto, onde está tudo isso. Não me preocupa quem vai tirar vantagem se resolvido ou não o problema, o que eu desejo é que a sociedade não seja atingida”.

 

Todos os legisladores utilizaram o espaço da palavra livre para defender seu posicionamento em tono da situação. A saúde deixou de ser o ponto principal, e o debate ficou em torno de políticos se aproveitarem da situação.

Na contramão, Claudemir Malage (PSD) apontou o momento que o hospital passa, ele se reuniu com os diretores e no decorrer de seu discursou explicou das verbas que a unidade de saúde não recebeu, “eu vejo esse debate aqui, acalorado, estamos vivendo um momento difícil. Estivem numa reunião com todos os funcionários, acionistas, médicos, onde foi comunicado a paralisação do atendimento devido à falta de pagamento do estado. Eu acho que o hospital já vinha falando isso, há muito tempo, mas a situação vai se agravado”.

 

A sessão da Câmara é transmitida ao vivo toda terça-feira, a partir das 18 horas pela Rádio Difusora América.