O ano de 2016 foi de resultados positivos para o município de Renascença, sudoeste do Paraná. Administrando a cidade desde 2013, Lessir Canan Bortoli, começou no último domingo (01) a segunda etapa de sua gestão.

Equilíbrio na geração de empregos, essa é a realidade da cidade em meio à crise econômica brasileira, “algumas empresas reduziram o número de colaboradores, outras estão chegando, fazendo uma oferta interessante de vagas. Estamos trabalhando com a possibilidade de novas empresas para este ano, então o desemprego aqui não é tão grande, assustadora como em outros lugares”. Empresas instaladas em grandes cidades visam o município para expandir os seus negócios.

Em 2013, 2014 e 2015, o município se destacou no sudoeste, conquistando o primeiro lugar em Gestão. “Isso é importante para cidade pequena, com arrecadação baixa. Tiramos também a educação de Renascença do abandono e já atingimos a meta do Ideb de 2021. Isso me deixa feliz, por essas coisas vale a pena ser prefeito”.

Com dois mandatos em Dois Vizinhos, indo para o segundo agora em Renascença, Lessir acredita que o prefeito que não tem vontade de trabalhar, não gera resultados, “não adianta falar do governo federal, do governo do estado. Não adianta criticar se o prefeito não tem vontade de fazer uma boa gestão dentro da legalidade. O que complica as prefeituras é quando a gente sai do legal”.

A cidade também é vista como cede para receber investimentos e criar oficialmente o aeroporto regional. Segundo Bortoli essa é uma realidade que não pode fugir dela, “vejo isso com muita esperança porque é uma coisa irreversível. Hoje, amanhã vai acontecer. Tenho ouvido de pessoas de fora, dizendo que tem interesse de investir aqui, no sudoeste e estão acompanhando muito de perto a questão aeroporto”. A expectativa é que neste ano, os debates em torno da proposta avancem e se defina a cidade que receberá o aeroporto regional.