Menu Envie sua pauta
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
12 de abril de 2021
Rádios

Percentual de famílias com dívidas cai em fevereiro

Economia

por Angela Maria

compras_natal_dsc_0295
Shopping no centro de Brasília tem movimento intenso no último fim de semana antes do Natal
Publicidade

O percentual de famílias que em fevereiro de 2020 relataram ter dívidas atingiu 65,1%. O nível representa queda na comparação com os 65,3% registrados em janeiro, e maior do que os 65,6% de dezembro de 2019.

As dívidas ser referem a cheques pré-datados, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro. Já em relação a fevereiro do ano passado, o patamar significa alta,uma vez que o indicador chegou a 61,5% do total de famílias.

Os dados estão na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), elaborada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

De acordo com a CNC, a inadimplência (dívidas ou contas em atraso) atingiu 24,1%, enquanto no mês anterior tinha ficado em 23,8%. Houve alta, se comparado a fevereiro de 2019. Naquele momento, somava 23,1%.

Publicidade
Publicidade

Quanto às famílias que permaneceriam sem condições de pagar as contas ou as dívidas em atraso, o percentual subiu na comparação mensal, saindo de 9,6% em janeiro para 9,7% do total em fevereiro. Em fevereiro de 2019, o indicador tinha atingido 9,2%.

Tendência

Para o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a tendência apontada no endividamento geral das famílias indica perspectiva de aquecimento do consumo. Na visão dele, o aumento de alguns indicadores não deve ser visto, necessariamente, como negativo. Segundo Tadros, mesmo que tenha diminuído o ritmo nos últimos dois meses, tem relação com resultados combinados.

“O endividamento em alta está associado a condições mais favoráveis no mercado de crédito ao consumidor, impulsionado por fatores como a melhora recente do mercado de trabalho e a redução significativa das taxas de juros, o que permite a queda do custo do crédito”, observou.

As reduções mais significativas no número de famílias endividadas foram entre as que ganham até dez salários mínimos. Nesse grupo, o percentual de endividamento recuou para 66,0% em fevereiro de 2020, enquanto em janeiro era de 66,4%. Nas famílias com renda acima de dez salários mínimos, o patamar teve alta de 60,9% em janeiro para 61,1% no mês seguinte.

Publicidade
Publicidade

Inadimplência

A economista responsável pela pesquisa, Izis Ferreira, destacou que, embora o endividamento seja menor, a inadimplência se acentuou em fevereiro, sendo maior a proporção de famílias com dívidas ou contas em atraso e também entre as que relatam não ter condições de pagar essas dívidas.

Segundo a economiasta, a capacidade de pagamento é influenciada pela sazonalidade verificada no primeiro trimestre, com gastos adicionais. “Impostos e taxas, matrícula e material escolar, além de reajustes de tarifas e serviços, o que implica um número maior de famílias que podem encontrar dificuldades para pagar as contas em dia nesse período”, disse.

A pesquisa indicou ainda que, mais uma vez, o cartão de crédito foi apresentado como o principal tipo de dívida de 78,6% das famílias endividadas. Outras dívidas foram relativas a carnês (15,9%) e ao financiamento de veículos (10,7%).

O mesmo ocorre com as famílias com renda de até dez salários mínimos. No grupo, 79,1% das famílias relataram problemas com o cartão de crédito, com os carnês foram 16,6% e com o financiamento de carros 8,9%.

Publicidade
Publicidade

Nas famílias com renda superior a dez salários mínimos, a primeira posição permanece com o cartão de crédito (76,9%), depois ficou o financiamento de veículos (19,1%) e em terceiro o financiamento de casa (16,9%).

Fonte: Agência Brasil

Foto: Valter Campanato

Publicidade