Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
23 de julho de 2024
Rádios
Publicidade

Pela primeira vez Francisco Beltrão realiza diagnóstico sobre a população em situação de rua

Conforme os dados do Cadastro Único de fevereiro de 2024, Francisco Beltrão possui 43 pessoas em situação de rua

Saúde

por Patrick Rodrigues

wanderer-814222_1280
Imagem: Ben Kerckx por Pixabay
Publicidade

A Secretaria Municipal de Assistência Social de Francisco Beltrão divulgou um diagnóstico detalhado sobre a população em situação de rua no município. Baseado em dados do Cadastro Único do Governo Federal e registros municipais, o relatório traça um perfil socioeconômico desses indivíduos e avalia as políticas públicas voltadas para este grupo.

Desde 2009, com a implementação da Política Nacional para a População em Situação de Rua (PNPSR), o Brasil tem intensificado os esforços para mapear e assistir essa população. Em Francisco Beltrão, o levantamento recente destaca a heterogeneidade desse grupo, que compartilha características como pobreza extrema, vínculos familiares fragilizados e a ausência de moradia regular.

Conforme os dados do Cadastro Único de fevereiro de 2024, Francisco Beltrão possui 43 pessoas em situação de rua, representando 0,044% da população total do município, que é de aproximadamente 96.666 habitantes. A maioria dessas pessoas é do sexo masculino (90,7%), jovens entre 25 e 35 anos, e predominantemente de cor branca (72%). A escolaridade é um aspecto relevante, com 91% sabendo ler e escrever, e 81% já tiveram emprego formal.

Os principais motivos que levaram essas pessoas à situação de rua incluem problemas familiares (66%), desemprego (50%), perda de moradia (38%) e alcoolismo ou uso de drogas (28%).

Francisco Beltrão oferece diversos serviços voltados para a assistência dessa população. O Serviço Especializado em Abordagem Social, executado pelo CREAS Novo Cidadão, é responsável por identificar e atender indivíduos em situação de rua, oferecendo suporte para minimizar os riscos sociais e pessoais.

Além disso, a Casa de Passagem proporciona acolhimento temporário, auxiliando na reestruturação social e pessoal desses indivíduos. Os dados de 2023 indicam que o município realizou 705 atendimentos, com uma predominância de adultos entre 18 e 59 anos.

O diagnóstico aponta para a necessidade de intensificar as políticas públicas e ações sociais voltadas para a população em situação de rua. A coordenadora da Secretaria Municipal de Assistência Social, Flávia Bedin Tognon, destacou a importância de uma abordagem integrada que envolva saúde, educação e emprego para efetivamente reintegrar esses indivíduos na sociedade.

O diagnóstico completo pode servir como uma ferramenta crucial para a elaboração de políticas públicas mais eficientes, promovendo a inclusão social e a redução da pobreza extrema em Francisco Beltrão.

Publicidade
Publicidade
Publicidade