Menu
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
01 de março de 2021
Rádios

Paraná e Pará definem translado de corpos da tragédia da BR 376

Translado será em um avião fretado do Aeroporto Internacional Afonso Pena na tarde desta quarta-feira (27)

Cotidiano

por Romeu Junior

AC ÔNIBUS PARA1
Foto: BPMOA
Publicidade

A preparação e translado dos 19 corpos das vítimas do acidente ocorrido segunda-feira (25) na BR-376, em Guaratuba, no Litoral do Paraná, foi um dos assuntos discutidos em reunião entre representantes dos governos do Paraná e do Pará, realizada na terça-feira (26), em Curitiba. Também foi tratada a remoção de 20 passageiros que tiveram ferimentos leves. O translado será feito em um avião fretado, que sairá do Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, para Belém, em voo que está previsto para ocorrer nesta quarta-feira.

O encontro reuniu o secretário da Segurança Pública do Paraná, Romulo Marinho Soares; o diretor-geral da Polícia Científica, Luiz Rodrigo Grochocki; o coordenador executivo da Defesa Civil do Paraná, coronel Adriano Mello; e representantes da comitiva da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Pará, como o major Marco Rogério Scienza, o major Bruno Pinto Freitas e a papiloscopista Rosilene de Oliveira Pereira.

“O trabalho integrado é importante para organizar e dar celeridade neste processo, além de prestar contas do que está sendo feito no Paraná”, disse o secretário Marinho. “Estamos consternados com o acontecimento e acolhendo a comitiva para dar apoio para levar os corpos e entregar para a famílias enlutadas. É um momento de dor e tristeza e a união de nossos esforços é para que se tenha agilidade nos processos”.

A comitiva paraense se responsabilizou pelo contato e as tratativas com a empresa responsável pelo ônibus de turismo, além da seguradora, e também cuidarão do processo para o translado das famílias das vítimas.

Publicidade
Publicidade

“Vamos buscar tudo aquilo que compete à seguradora e à própria empresa no suporte aos familiares, óbitos e possíveis danos que venham a ocorrer para, de maneira mais rápida e eficiente, dar uma retaguarda aos envolvidos no acidente, para que a participação, tanto do poder público como do setor privado ofereça uma melhor resposta às vítimas”, explicou o major Scienza.

No encontro foi analisada a logística para o translado. Como o embarque estava condicionado à oitiva de algumas pessoas, o delegado responsável agilizou os processos enviando investigadores e escrivães em alguns locais para ouvir pessoas envolvidas e que precisariam viajar. Assim, será dada continuidade ao processo e a consequente conclusão do inquérito, em andamento na Delegacia de Delitos de Trânsito de Curitiba (Dedetran).

A Secretaria da Segurança Pública também fez um alinhamento logístico com a Infraero para garantir a privacidade e a segurança dos passageiros que seguirem ao Pará.

[Grupo RBJ de Comunicação] Paraná e Pará definem translado de corpos da tragédia da BR 376 — Assunto foi tratado em reunião do secretário da Segurança Pública do Paraná e comitiva paraense. Foto: Divulgação Secretaria Segurança Pública do Paraná/SESP
Assunto foi tratado em reunião do secretário da Segurança Pública do Paraná e comitiva paraense. Foto: Divulgação Secretaria Segurança Pública do Paraná/SESP

COOPERAÇÃO – O diretor-geral da Polícia Científica, Luiz Rodrigo Grochoki, levou à instituição a comitiva da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Pará, para continuar as tratativas sobre as liberações dos corpos e trâmites legais para o translado até o Norte do País. “Essa integração e cooperação interestadual, para nós, foi fundamental. Ela já faz parte do protocolo de atendimento a desastres, mas o espírito de colaboração e solidariedade entre os dois estados foi indispensável”, destacou Grochoki.

Publicidade
Publicidade

O assessor militar da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Pará, major Marco Rogério Scienza, conversou com familiares e amigos das vítimas para demonstrar o apoio do Estado. Além da definição do voo, foi providenciado pela Defesa Civil do Paraná acomodações para familiares e vítimas em um hotel até o momento do voo.

“Já estamos verificando as questões junto à seguradora quanto aos trâmites funerários e preparação funerária. Então, a partir do momento que a Polícia Científica deliberar que a vítima pode ser preparada, de imediato as funerárias entrarão em ação com o transporte e a retaguarda da funerária, para depois fazermos o transporte dos corpos e vítimas para o Pará”, explicou Scienza.

O major agradeceu o empenho da Segurança Pública do Paraná, desde o atendimento no local do acidente até a emissão de laudos e exames de forma rápida. “A experiência da administração de grandes eventos que o Paraná possui foi primordial no atendimento a uma ocorrência como essa. Isso permitiu com que o Estado do Pará se organizasse para cruzar do extremo Norte do Brasil e vir operar em consonância com esse trabalho de excelência”, acrescentou.

SOBREVIVENTES – Dos sobreviventes que estão no estado de Santa Catarina, apenas uma mulher, de 35 anos, será trazida para Curitiba, pelo Corpo de Bombeiros do Paraná, e seguirá viagem ao Pará por meio do voo fretado. Junto com ela, em Garuva, em um abrigo, estavam outras quatro pessoas que decidiram não voltar ao Estado do Pará e ficarão em Santa Catarina. Em Joinville, dos oito que estavam hospitalizados, apenas dois continuam internados, os outros seis já foram liberados e também optaram por ficar na cidade.

Publicidade
Publicidade

IDENTIFICAÇÃO – A Polícia Científica e a Polícia Civil do Paraná atuam de maneira integrada e já identificaram 17 corpos, dos 19 que estão no Instituto Médico Legal (IML). Os papiloscopistas da Polícia Civil fizeram a identificação das vítimas através de exames necropapiloscópicos, processo pelo qual coletam as impressões digitais e realizam o confronto com padrões enviados pela Polícia Civil do Pará.

Outros dois corpos, de menores de idade, estão sendo identificados pela Polícia Científica por um processo mais complexo, o exame de DNA. Segundo o diretor da Polícia Científica, ele foi necessário porque as vítimas não possuíam prontuário odontológico ou registro de identidade cadastrado. “Como parentes dessas crianças também foram vítimas do acidente, coletamos o DNA para verificar a identificação”, explicou diretor do Instituto Médico Legal (IML), André Ribeiro Langowiski.

Ainda segundo o diretor do IML, a estrutura da Polícia Científica e a parceria com o Instituto de Identificação do Pará foram essenciais para a agilidade na identificação das vítimas. “Recebemos os corpos por volta de 15 horas, e às 19 horas já tínhamos feito todo o trabalho de necropsia, além disso, ainda ontem, com o trabalho dos papiloscopistas 17 vítimas fatais já tinham sido identificadas”, disse.

INVESTIGAÇÃO – A Polícia Civil do Paraná (PCPR) está investigando o tombamento do ônibus de turismo. Um Inquérito Policial foi aberto para apurar o caso e está sob a responsabilidade da Delegacia de Delitos de Trânsito. As investigações continuam e em depoimento, um dos motoristas afirmou que os freios do ônibus teriam falhado em uma das curvas e que ele não teria conseguido parar na área de contenção.

Publicidade
Publicidade

Até o momento o outro motorista não foi localizado. Testemunhas, familiares das vítimas e envolvidos no acidente estão sendo ouvidos. A Polícia Civil segue realizando diligências e aguarda exames periciais para estabelecer as dinâmicas do acidente.

Fonte: AEN

Publicidade