Menu
Grupo RBJ de Comunicação
Grupo RBJ de Comunicação,
28 de janeiro de 2021
Rádios

Nova subestação da Celesc em Abelardo Luz trará reflexos ao município de Palmas

EconomiaGeral

por Ivan Cezar Fochzato

palmas-II
Publicidade

O Diretor do Grupo Enercons, Ivo Pugnaloni, comemorou o recente anúncio da construção da nova subestação das Centrais Elétricas de Santa Catarina(Celesc) em Abelardo Luz, oeste de Santa Catarina, aumentando a viabilidade dos investimentos para a construção do Complexo Eólico Palmas II, no município de Palmas.

[Grupo RBJ de Comunicação] Nova subestação da Celesc em Abelardo Luz trará reflexos ao município de Palmas — Pugnaloni comemorou o anúncio do investimento no município catarinense
Pugnaloni comemorou o anúncio do investimento no município catarinense

Explicou que o benefício para o empreendimento eólico ocorre em função de que agora a reserva da capacidade que a Copel estava fazendo na subestação de Palmas para a energia produzida por seis hidrelétricas no estado catarinense poderá ser destinada totalmente à geração eólica paranaense.

“Com o aumento da capacidade em Abelardo Luz, poderemos redirecionar o projeto para que a energia do complexo éolico seja interligada ao sistema de Palmas, há 30 quilômetros das fontes geradoras e não mais para Bituruna,  distante 90 quilômetros, o que aumentaria nosso custo de produção”, disse ele.

De acordo com o Chefe da Divisão Técnica da Celesc de Chapecó, Paulo Giacomazzi, o projeto da subestação beneficiará além de Abelardo Luz, os municípios de São Domingos, Ouro Verde e Ipuaçu, melhorando o fornecimento de energia e alavancando outros empreendimentos, como indústrias e a conexão de sete usinas hidrelétricas, que estão em processo de instalação, homologação e  regulação  junto aos diversos órgãos governamentais. Entre elas estão a PCHs Prainha, Mangueira de Pedra, Aparecida, Araçá, Criciúma,  Barreiros e Santa Rosa. A localização da nova subestação deverá ser definida através de estudos e projetos pelos técnicos da Celesc.

Publicidade
Publicidade

Conforme Pugnaloni, com o encurtamento da distância e a possibilidade de uma conexão com a linha de transmissão já existente entre a região produtora de energia nos Campos de Palmas e o sistema da Copel na cidade de Palmas é fundamental para atrair os investidores e consolidar a viabilidade do empreendimento eólico nos aspectos técnicos e financeiros.

Atualmente a energia produzida pelas PCHs Rondinha e Victor Adami no Rio Chapecó em Passos Maia, Santa Catarina,  já são conectadas a subestação de Palmas.

 

Publicidade