Na última quarta-feira(08) foi realizado em Passos Maia, um seminário para discutir  o controle da superpopulação de javalis que estão invadindo propriedades rurais e devastando lavouras em vários municípios da região.Estiveram presentes  representantes de órgãos ambientais  de fiscalização e controle ambiental, autoridades policiais e políticas, além de representantes de outras várias entidades. O debate foi promovido pelo Conselho Consultivo do Parque Nacional das Araucárias, que abrange áreas nos municípios de Passos Maia e Ponte Serrada.

 Conforme o chefe do Parque Nacional das Araucárias, Juliano Rodrigues Oliveira,  do Instituto Chico Mendes(ICMbio), unidade de Palmas,  o objetivo foi informar sobre a legislação que permite o abate do javali.Destacou que o   Ibama publicou uma Instrução Normativa que autoriza o controle populacional do javali através do abate desde que seja observadas uma série de regras e cadastramento  dos interessados pela caça junto aos órgãos de fiscalização ambiental e na Polícia Ambiental de Santa Catarina.

Ressaltou entretanto, que o abate pode ser realizado somente fora da área do Parque Nacional, tendo em vista, que por se tratar de área de preservação, a caça não é permitida. Ao Portal RBJ, o analista ambiental do Instituto Chico Mendes destacou que as discussões feitas no  seminário realizado em Passos Maia  serão levados novamente à discussão no Conselho  Consultivo do Parque Nacional das Araucárias, que continuará deliberando sobre a questão  até que haja uma definição sobre o assunto.

Por outro aspecto, Juliano Rodrigues Oliveira, salientou que não há como precisar qual é a população de javalis existentes nesta região e  que qualquer projeção que seja feita é um mero chute. “ Pode ser que seja uma população de mil, como pode ser que seja de cinco mil”, disse o analista.

 A presença de grupos do animal já foi registrada nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia e Acre.