A secretaria de planejamento de Francisco Beltrão reuniu representantes dos segmentos organizados para a 2ª oficina temática para a discussão de vários assuntos ligados ao meio ambiente, dentre eles, os problemas relacionados com as cheias e enchentes. O encontro aconteceu na quinta-feira, 09, na Câmara de Vereadores de Francisco Beltrão. Inclusive, os vereadores Rodrigo Inhoatto(PDT), Fran Schmitz(PSDB), Silmar Gallina(PSDB), Camilo Rafagnin(PT) e Viro De Grawwn(PT) acompanharam os trabalhos e participaram da discussão. O arquiteto Dalcy Salvatti coordenou os trabalhos e disse que se for resolvido 50% dos problemas ambientais, a situação das enchentes melhora 100%.

A ação faz parte da revisão do plano diretor de Francisco Beltrão. O secretário de planejamento, Antonio Pedron informou que as áreas preocupantes serão delimitadas para que a população e as autoridades saibam onde estão os problemas. Ao mesmo ponto que serão apontadas obras que são possíveis de serem realizadas. Pedron disse que existe um estudo de combate as cheias desde 1966, mas que para a época tinha um custo bilionário e não foi feito. “Talvez, se esse plano tivesse sido implantado, a população não estaria sofrendo hoje”, declarou. Agora, a comissão está indicando obras e ações para amenizar os problemas. “Temos um estudo feito em 2012. Os problemas continuam sendo os mesmos e as ações semelhantes. Vamos investir em obras que sejam possíveis de serem realizadas, sempre com os pés no chão, sabendo que não será da noite para o dia que o problema será resolvido”, explicou Pedron.

Ao final do encontro, o secretário de meio ambiente, Adriano David fez uma avaliação positiva do encontro e recomendou que administração necessita tomar medidas mais duras, no sentido de sugerir as leis, que vão passar pela Câmara de Vereadores,e depois caberá a prefeitura fazê-las serem cumpridas, nem que seja necessário aplicar multas.

O especialista em educação ambiental, Claudio Loes tem um grupo reduzido de pessoas que recolhem lixos nas encostas dos rios da área urbana e rural de Francisco Beltrão. Na opinião dele, Beltrão tem vários lixões a céu aberto e para resolver o problema das cheias é a educação ambiental. “Não podemos ficar na conversa de que no futuro as coisas vão melhorar, precisamos implantar as ideias e cobrar para que todos cumpram. É necessário investir na conscientização ou educação ambiental das pessoas, de forma urgente”, finalizou Cláudio.

Nos próximos dias deverá acontecer mais um encontro para pontuar outros aspectos do meio ambiente. Depois, com propostas mais concretas e direcionamentos mais específicos, será realizada uma audiência pública para toda a população.