Ave que estampa o Brasão de Armas do Estado do Paraná, a harpia, ou gavião-real, é considerada uma das aves mais raras, uma vez que nunca havia sido fotografada em vida livre na natureza. Nunca havia, porque no último sábado (11), um engenheiro agrônomo, e observador de aves por hobby, conseguiu realizar esse feito no município de Coronel Domingos Soares.

  • Compartilhe no Facebook

Francisco Hamada, morador do município de Palmas, esperava apenas realizar uma pescaria no Rio Iguaçu, mas entrou para a história, ao registrar a maior águia das Américas. “Foi por acaso, estava pescando, quando avistei uma ave sobre uma árvore e comecei a fotografar. Depois percebi que se tratava de um gavião-real”, contou ao Jornalismo da Rádio Club/RBJ.

Lembra que a ave, por mais que seja o símbolo do Estado, nunca havia sido fotografada em seu habitat natural, pontuando que esse registro é o mais importante da sua carreira de quase 10 anos na observação de aves. “Devido à raridade da espécie e por ser um objetivo de todos os ornitólogos do Estado, acho que esse é o meu principal registro”, considera.

Ouça a entrevista no player abaixo:

 

A imagem registrada pelo observador palmense surpreendeu a comunidade científica, tanto que o Instituto Água e Terra do Paraná está organizando um plano de ação emergencial de averiguação e monitoramento da área do registro, para estabelecer um plano territorial de conservação da harpia no Estado. A primeira expedição será realizada neste fim de semana.

Por ser uma ave ameaçada de extinção, a presença de um exemplar na região despertou a esperança de que ainda haja outros indivíduos. O objetivo principal da expedição é, além de tentar novos registros da harpia, conversar com a comunidade local para orientar sobre a importância do achado, a preservação da espécie e como todos podem contribuir para otimizar as ações dos órgãos ambientais.

Fotos: Francisco Hamada