MOIRROS
  • Compartilhe no Facebook

Movimento em Bituruna. Fonte: Defesa Civil

Os trabalhos foram iniciados em Bituruna e concluídos em Saudade do Iguaçu, Quedas do Iguaçu e Rio Bonito do Iguaçu.

O Serviço Geológico do Paraná está desenvolvendo o mapeamento e Indicação de Áreas de Riscos Geológicos do em vários municípios da região. Um dos objetivos é mapear áreas suscetíveis a escorregamentos de terra. A ação é desenvolvida pela Mineropar (Serviço Geológico do Paraná), Defesa Civil Estadual e Simepar (Sistema Meteorológico do Paraná) e prefeituras. O mapa servirá para auxiliará o poder público na elaboração do plano diretor do município e na expansão urbana, levando em conta as áreas de risco.

Na última semana, foi iniciado o trabalho em Bituruna, sul do Paraná. O geólogo, Gil Piekarz, salientou o trabalho preventivo está sendo realizado em diversas cidades municípios. Explicou que de acordo com a lei federal, áreas muito íngremes não devem ser ocupadas. Terrenos com inclinação maior que 30% não devem ser utilizados para moradias urbanas e sim destinados a outros fins.

Reunião Mineropar 2
  • Compartilhe no Facebook

Prefeito de Bituruna, Claudinei Oliveira, com geólogos da Mineropar

marcelo
  • Compartilhe no Facebook

Prefeito Mauro Cenci já recebeu relatório de Saudade do Iguaçu

Em Saudade do Iguaçu, a avaliação restringiu-se ao perímetro urbano e o entorno imediato da cidade numa área aproximadamente 4,15 Km2. Em Bituruna o mapeamento deverá se concentrar Morro de Santa Bárbara e no Morro da Antena, no perímetro urbano.

Conforme a Mineropar, o mapeamento foi projetado em função do grande número de deslizamentos registrados nas chuvas de 2013 e 2014 nas regiões Sul e Sudoeste do Paraná. Apesar de atingir terrenos de rochas basálticas, até então consideradas pouco propensas a estes fenômenos, foram registrados mais de 140 locais com movimentos gravitacionais de massa (MGM’s), gerando danos consideráveis nas zonas rurais e urbanas, incluindo vítimas fatais. A execução do Projeto veio na sequência de um inventário realizado por meio de levantamento aéreo e depois de um estudo piloto de caracterização da suscetibilidade, entendida como a definição da propensão natural à ocorrência destes fenômenos.